PSD acusa governo de "soberba" nos incêndios

David Justino, vice-presidente do PSD, afirma que houve "descoordenação" no combate ao incêndio de Monchique. Mas garante que o partido está disponível para aprovar comissão independente sugerida pelo Presidente da República.

As palavras do antigo ministro da Educação foram muito duras para o primeiro-ministro e ministro da Administração Interna, a quem sugeriu que se "concentrem mais em resolver os problemas do que a fazer campanha eleitoral que ainda vem longe".

Mais do que analisar o que aconteceu em Monchique, David Justino fez uma crítica demolidora à gestão que o governo fez daquele incêndio. "Há falta de recato, humildade e há uma grande precipitação", afirmou em conferência de imprensa. O dirigente social-democrata, que também preside ao Conselho Estratégico do PSD, apontou o dedo a António Costa e Eduardo Cabrita sobretudo pelo "triunfalismo" com que consideraram ter sido um sucesso o combate aos incêndios, à exceção do de Monchique. "Não sabemos o que nos espera neste verão tardio". Mesmo o facto de não terem havido vítimas, Justino sublinhou que essa devia ser a "regra". A "exceção" foi o que aconteceu o ano passado, disse.

Ao líder do governo apontou a falha de ter aparecido nas redes sociais "para comprovar que estava a acompanhar os incêndios", o que considerou ser a "obrigação" de um primeiro-ministro mesmo de férias. Além disso, "não se pode atribuir tudo o que corre mal a razões climatéricas e o que corre bem à ação do governo".

O júbilo do executivo, garantiu, destinou-se a "ocultar o que está à vista de todos, de que se trata do maior fogo da Europa e a maior área ardida".

Apesar de não querer fazer balanços sem o aval dos especialistas, e antes das reuniões com os autarcas das zonas afetadas, o vice-presidente social-democrata frisou que do que já é conhecido é claro que "houve descoordenação" no combate ao incêndio de Monchique. E a estratégia que foi posta na proteção das pessoas não era incompatível com o combate ao fogo. "A estratégia pode ter falhado. Tudo o que é salvar vidas é normal. Mas não houve falta de meios para combater o incêndio".

Ao DN, o dirigente do PSD sublinhou que é preciso "clarificar as relações entre as forças que estão no palco das operações" para evitar a "descoordenação de meios". David Justino reforçou que "há sucesso no combate às primeiras ignições, mas quando um incêndio ultrapassa um certo nível de complexidade vê-se a incapacidade para lidar com a situação".

David Justino garantiu que o PSD está disponível para ajudar o governo a fazer tudo para evitar o sofrimento das populações", seja ao nível da burocracia seja ao nível de novas medidas capazes de responder ao problema dos incêndios. Entre as quais, viabilizar a Comissão Técnica Independente sugerida pelo Presidente da República no sábado quando visitou as populações afetadas pelo incêndio de Monchique.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.