Primeira mulher eleita para a presidência da Causa Real

Teresa Côrte-Real sucede a António de Souza-Cardoso na chefia da associação que defende o ideal monárquico em Portugal.

As reais associações que integram a Causa Real elegeram este domingo, em Rio Maior, a primeira mulher para a presidência da associação que representa o ideal monárquico em Portugal.

Teresa Côrte-Real, professora no Colégio de Santa Doroteia e formada em Relações Internacionais, liderava a única lista candidata aos órgãos sociais da Causa Real e sucede a António de Souza-Cardoso.

A eleição resultou do voto dos 80 delegados presentes no XXIV Congresso da Causa Real, que decorre este fim de semana em Rio Maior e representando as Reais Associações existentes no continente e ilhas.

A nova presidente explicou ao DN que aceitou candidatar-se com "a missão muito clara de demonstrar a atualidade da solução monárquica".

Isso passa por "dois pontos muito importantes", referiu Teresa Côrte-Real: promover o "património comum que apenas a Monarquia pode representar" como fator de união e "a valorização do mundo português, da comunidade lusíada espalhada no mundo" e que tem em D. Duarte, Duque de Bragança, um elemento agregador.

Eleita para um mandato de três anos, Teresa Côrte-Real disse ir liderar uma "lista de continuidade em que entram pessoas novas" e com uma "representação transversal a todo o país em termos de origens profissionais e etárias".

"Achamos que é possível construir algo de diferente e há uma alternativa que pode aumentar a soberania e a coesão nacional" dada a sua "natureza inclusiva", enfatizou a primeira presidente da Causa Real.

A Causa Real é uma associação que visa a defesa do ideal monárquico, da instituição real "e no limite a restauração da monarquia em Portugal", lê-se na respetiva página oficial na Internet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.