Presidente já tem novos nomes do governo. Secretários de Estado promovidos a ministros

Era uma mexida antecipada, depois do anúncio de Pedro Marques como cabeça-de-lista do PS às europeias. Mariana Vieira da Silva na Presidência, Nuno Santos nas Infraestruturas e Nelson de Souza assume fundos comunitários.

Já é oficial: o Presidente da República já tem os novos nomes do governo socialista. Numa nota publicada no site da Presidência lê-se que Marcelo Rebelo de Sousa aceitou as propostas do primeiro-ministro de exoneração dos governantes que estavam nos ministérios remodelados e concordou com as propostas de nomeação feitas por Costa, incluindo já os respetivos secretários de Estado.

Mariana Vieira da Silva é a nova ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, enquanto Pedro Nuno Santos será o novo ministro das Infraestruturas. Outro secretário de Estado, o do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza ficará com a tutela dos fundos comunitários, com o título do Planeamento.

Uma quarta novidade é a de Duarte Cordeiro, vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, que deixa a autarquia para ser o novo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Trata-se de uma remodelação antecipada: com a confirmação oficial de Pedro Marques como cabeça-de-lista socialista às eleições europeias, feita no sábado, o primeiro-ministro teria sempre de substituir o ainda ministro do Planeamento e Infraestruturas. Assim como Maria Manuel Leitão Marques, que também se soube durante a semana que integrará a lista do PS para o Parlamento Europeu. É a quarta remodelação do governo socialista.

António Costa foi mais além e antecipou já uma alteração orgânica do executivo socialista, que aponta já para um próximo executivo, no pressuposto do PS voltar a formar governo, com uma eventual maioria de esquerda no Parlamento.

A pouco mais de seis meses das eleições legislativas, o primeiro-ministro socorreu-se de secretários de Estado para os novos lugares. Costa optou por desdobrar o ministério de Pedro Marques, entregando as Infraestruturas a Pedro Nuno Santos, o grande artífice dos orçamentos e das leis negociadas no Parlamento com os partidos da esquerda que têm apoiado o executivo socialista. Aos 42 anos (nasceu em São João da Madeira, em 13 de abril de 1977), o presidente da Federação Distrital do PS de Aveiro vê finalmente reconhecido o seu lugar no executivo com a promoção a ministro.

Para a gestão dos fundos comunitários, Nelson de Souza - que nasceu na Índia, em 1954, e é licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia - vai passar a fazê-lo agora como ministro do Planeamento.

Para substituir a "ministra do Simplex", António Costa apostou na sua adjunta e a sua sombra no governo. Responsável pela comunicação do executivo socialista, Mariana Vieira da Silva - nascida em 1978, é filha do ministro do Trabalho, José Vieira da Silva - passa a ocupar o lugar de ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, que também coordena a qualidade da produção legislativa do governo.

Quem António Costa chamou pela primeira vez para o executivo é Duarte Cordeiro. Antigo deputado à Assembleia da República, o atual vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa - que faz 40 anos no próximo sábado - regressa ao Parlamento como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e adjunto do primeiro-ministro.

Nos secretários de Estado que já foram também indicados, há apenas três novidades para além de Duarte Cordeiro: são nomeados Maria do Céu Albuquerque, atual presidente da Câmara Municipal de Abrantes; Alberto Souto de Miranda, antigo presidente da Câmara Municipal de Aveiro; e Jorge Moreno Delgado, atual presidente do Metro do Porto.

Quase todos os outros secretários de Estado são reconduzidos nas pastas em que já estavam (mas terão de tomar posse, de novo, porque o seu cargo extingue-se com a demissão dos atuais ministros). A exceção é Guilherme W. d'Oliveira Martins que é substituído nas Infraestruturas.

A tomada de posse de ministros e secretários de Estado será em simultâneo, pelas 15.00 desta segunda-feira, no Palácio de Belém.

No site da Presidência indicam-se os novos governantes:

- Mariana Guimarães Vieira da Silva, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.

- Ângelo Nelson Rosário de Souza, ministro do Planeamento.

- Pedro Nuno de Oliveira Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação.

- José Duarte Piteira Rica Silvestre Cordeiro, secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro e dos Assuntos Parlamentares (fica na dependência do gabinete do primeiro-ministro).

- Tiago Barreto Caldeira Antunes, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros (ministro da Presidência e da Modernização Administrativa).

- Luís Filipe Loureiro Goes Pinheiro, secretário de Estado adjunto e da Modernização Administrativa (ministro da Presidência e da Modernização Administrativa).

- Rosa Filomena Brás Lopes Monteiro, secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade (ministra da Presidência e da Modernização Administrativa).

- Maria do Céu de Oliveira Antunes Albuquerque, secretária de Estado do Desenvolvimento Regional (ministra do Planeamento).

- Jorge Moreno Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas (ministro das Infraestruturas e da Habitação).

- Alberto Afonso Souto de Miranda, secretário de Estado adjunto e das Comunicações (ministro das Infraestruturas e da Habitação).

- Ana Cláudia da Costa Pinho, secretária de Estado da Habitação (ministra das Infraestruturas e da Habitação).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?