Portugal vai receber 10 dos 58 migrantes do Aquarius II

França sugere que seja Malta a receber a embarcação

Portugal acordou com Espanha e França, no quadro da resposta solidária ao fluxo de migrantes que procuram chegar à Europa através do Mediterrâneo, acolher 10 das 58 pessoas que se encontram no navio Aquarius II, segundo nota enviada às redações pelo Ministério da Administração Interna. Entretanto, França sugeriu que fosse Malta a receber a embarcação, segundo a AFP. A maior parte dos refugiados a bordo são líbios em fuga dos confrontos em Tripoli.

"Portugal continua a defender uma solução europeia integrada, estável e permanente para responder a este desafio migratório mas, por razões humanitárias e face à situação de emergência em que se encontram estas pessoas, manifesta mais uma vez a sua disponibilidade para, solidariamente e de forma concertada com Espanha e França, acolher parte do grupo de migrantes", lê-se ainda na nota do Governo português.

Esta terça-feira, o Bloco de Esquerda disse que "o Estado Português pode e deve intervir nesta matéria, evitando a morte de inúmeras vidas através da concessão do pavilhão ao navio Aquarius", numa pergunta dirigida ao Ministério dos Negócios Estrangeiros. E isto "na defesa dos pilares essenciais dos direitos humanos e em nome de uma política internacional humanista e solidária".

Esta segunda-feira, o Aquarius pediu às autoridades francesas para entrar no porto de Marselha. As autoridades francesas recusaram o pedido. "De momento a resposta é não", disse Bruno Le Maire, ministro francês das Finanças.

O Aquarius já terá resgatado mais de 29 mil pessoas desde que começou a operar, em fevereiro de 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".