Portugal reforça segurança da embaixada em Caracas

Aeronave da Força Aérea transporta polícias para a Venezuela, onde nos últimos dias se tem agravado o clima de tensão política e social.

Agentes do Grupo de Operações Especiais (GOE) da PSP partiram este sábado de Lisboa para Caracas, a fim de garantirem a segurança da embaixada portuguesa na Venezuela, soube o DN.

A equipa dos GOE viajou num Falcon 50 da Força Aérea que partiu do aeródromo de trânsito nº.1 (Figo Maduro).

O envio desses agentes dos GOE - que garantem a segurança das instalações diplomáticas do pais em zonas sensíveis do mundo - coincide com o agravamento da situação política e social na Venezuela, em que se opõem forças leais ao regime de Nicolás Maduro e ao autodesignado Juan Guaidó.

O DN não conseguiu verificar se esta unidade dos GOE se destina a substituir agentes que garantem a segurança da embaixada ou vão reforçar a equipa que já lá está.

Fonte oficial da Força Aérea escusou-se a fazer qualquer comentário ao DN sobre o assunto.

Notícia atualizada às 20.30 com a posição da Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.