PCP leva a votos aumento de salário mínimo para 650 euros

Bancada comunista entregou projeto de resolução que obrigará Parlamento a votar. Patrões estão pouco disponíveis para aceitar aumento acima de 600 euros

Os comunistas vão desafiar os socialistas a dizerem no Parlamento se querem aumentar o salário mínimo nacional para 650 euros em 1 de janeiro de 2019, com a apresentação de um projeto de resolução que recomenda ao Governo socialista esse aumento.

O valor proposto é aquele que o secretário-geral da CGTP propôs no 1.º de maio deste ano e que logo depois seria assumido pelo partido. O Governo tem falado sempre no seu objetivo que é chegar aos 600 euros, enquanto que a UGT avançou com uma proposta de 615 euros.

Agora, na rentrée parlamentar, como no ano passado, o grupo parlamentar comunista defende que "o aumento do salário mínimo nacional é imperioso, por razões de justiça social e de uma mais justa distribuição da riqueza, mas também por razões de carácter económico, uma vez que assume especial importância no aumento do poder de compra, na dinamização da economia e do mercado interno".

Segundo o PCP, este "aumento extraordinário" - que seria o maior de sempre - "visa repor o "poder de compra perdido pelos trabalhadores" e para "fazer face ao custo de vida". Os comunistas defendem que, a partir deste valor de 650 euros, serão feitos "os aumentos anuais regulares".

Este "aumento extraordinário" - que seria o maior de sempre - "visa repor o "poder de compra perdido pelos trabalhadores"

O PCP refuta os argumentos que têm sido "invocados para não aumentar o salário mínimo nacional", nomeadamente o que dizem ser "a falsa ideia do peso das remunerações na estrutura de custos das empresas e no seu suposto efeito negativo para a competitividade".

Segundo o projeto de resolução, que vai dar agora entrada no Parlamento, "as remunerações têm um peso de apenas 18% na estrutura de custos das empresas, muito inferior a um conjunto de outros custos, designadamente com a energia, combustíveis, crédito ou seguros".

PS e BE inscreveram no seu acordo que permitiu a governação socialista de António Costa que o salário subiria gradualmente até aos 600 euros em 2019, o que mereceu sempre as farpas de comunistas. E o Governo tem cumprido com esse aumento gradual, mas remetendo a discussão para sede de concertação social.

Em junho passado, os patrões vieram admitir a possibilidade de o salário mínimo poder ser aumentado para lá dos 600 euros, no que foi entendido como uma aproximação ao valor proposto pela UGT, mas o presidente da CIP-Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva já recuou e avisou que "as condições [para esse aumento] têm vindo a degradar-se".

"Lamentavelmente, desde a altura em que fiz essas declarações até hoje, ao contrário do que seria desejável para o país, e não apenas para nós, as condições têm vindo a degradar-se", disse, citado pelo jornal Eco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.