Aumento de salários na Administração Pública? Governo estuda "todas as hipóteses"

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, frisou que o orçamento, que "será apresentado a 16 de outubro", "está a ser preparado pelo Governo e discutido pelos parceiros". Por isso, "não há nenhuma decisão"

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, garantiu esta sexta-feira que o Governo "está a estudar todas as hipóteses" e ainda não há qualquer decisão relativamente ao aumento de salários na Administração Pública.

O governante foi questionado pelos jornalistas sobre este assunto à margem de uma conferência sobre o futuro das pensões em Portugal, no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

Na quinta-feira, o líder parlamentar do PS, Carlos César, afirmou estar em estudo a possibilidade de o Orçamento do Estado para 2019 contemplar um aumento do salário base dos trabalhadores da administração pública, "pelo menos" nos níveis remuneratórios mais baixos.

Já hoje, o líder parlamentar do PCP saudou a "evolução positiva" na posição do Governo sobre aumentos salariais na administração pública, dizendo que o executivo admite até "uma solução de aumento geral" para todos os funcionários.

"Não há nenhuma decisão. O orçamento será apresentado a 16 de outubro, está a ser preparado pelo Governo e discutido pelos parceiros. Estão a ser estudadas todas as hipóteses", disse o ministro do Trabalho.

Vieira da Silva lembrou, a propósito, que os "recursos são sempre escassos e têm origem nos impostos dos portugueses e nas suas contribuições e as necessidades são sempre muitas, portanto há sempre escolhas a fazer".

Assim, segundo o ministro, no próximo Orçamento do Estado, o Governo prosseguirá com a sua política de recuperação de rendimentos, num quadro de "reforço da economia portuguesa, de equilíbrio das contas públicas e do bem-estar das famílias".

Questionado também sobre a possibilidade de um aumento extraordinário de pensões, o governante disse que a única coisa que pode garantir é que "não haverá corte de pensões".

"O aumento ordinário estará a pagamento a 1 de janeiro de 2019 e abrangerá cerca de 80% dos pensionistas, acima da inflação, algo que acontece pela segunda vez consecutiva, depois de muitos anos. É um bom sinal, os outros aspetos estão em discussão", disse.

O ministro do Trabalho e o ministro das Finanças, Mário Centeno, reúnem-se hoje à tarde na Concertação Social para discutirem com os parceiros as orientações políticas sobre o Orçamento do Estado do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?