Bloco defende que "é este o tempo de investir"

Coordenadora do BE quer maior aposta no Orçamento do Estado para 2019 nos serviços públicos

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou este domingo que, com a economia em crescimento, este é o tempo para investir, com um Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) que aposte nos serviços públicos.

Com as negociações do OE2019 a decorrer, era esperado que Catarina Martins dedicasse parte do seu discurso de encerramento da 'rentrée' do BE à proposta orçamental do próximo ano, tendo deixado o mote bem claro: "Investir".

"Investir. É este o tempo. Se não fora agora, quando? É agora que a economia cresce e que estamos a recuperar. É agora que podemos e devemos. Se não o fizermos, se deixarmos degradar mais os serviços públicos, as infraestruturas, o território, estaremos a hipotecar o futuro", enfatizou.

A coordenadora do BE elencou propostas do partido para o OE2019, sendo algumas delas bandeiras já conhecidas como a descida do IVA da luz e do gás ou o aumento mínimo de 10 euros nas pensões mais baixas já em janeiro.

Uma das grandes apostas dos bloquistas no último orçamento da legislatura é o investimento nos serviços públicos.

No caso da saúde, e para "salvar o SNS", Catarina Martins defendeu o aumento de verbas, o fim das taxas moderadores e valorização dos profissionais de saúde.

"Investir na saúde, como na educação, na ciência, na cultura", defendeu.

Em relação aos professores, a líder do BE recordou a pressão do partido que permitiu a vinculação este ano de 7500 docentes, mas avisou que muitos outros se mantêm precários.

"Vincular professores, cumprir o que ficou já determinado no OE2018 - contar o tempo de serviço dos professores e de todos os trabalhadores do Estado - e respeitar as carreiras integralmente", defendeu.

Para o OE2019, o BE quer "menos propinas e mais apoios" no ensino superior.

"Repetir que queremos um país qualificado e manter a completa asfixia orçamental dos setores do conhecimento é o absoluto vazio. Qualifica-se o país com investimento. Um por cento para a Cultura é mais do que tempo", defendeu.

Para os transportes públicos, desde logo a ferrovia, segundo Catarina Martins, também terá de haver verba disponível no OE2019 porque "cada tostão que hoje poupamos na CP gastaremos em dobro ou triplo na recuperação do que se perdeu".

A justiça não fica de fora das prioridades e, por isso, o BE quer um "pequeno passo, mas essencial para garantir o seu acesso" que é "baixar as custas judiciais" já no próximo OE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.