Bloco defende que "é este o tempo de investir"

Coordenadora do BE quer maior aposta no Orçamento do Estado para 2019 nos serviços públicos

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou este domingo que, com a economia em crescimento, este é o tempo para investir, com um Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) que aposte nos serviços públicos.

Com as negociações do OE2019 a decorrer, era esperado que Catarina Martins dedicasse parte do seu discurso de encerramento da 'rentrée' do BE à proposta orçamental do próximo ano, tendo deixado o mote bem claro: "Investir".

"Investir. É este o tempo. Se não fora agora, quando? É agora que a economia cresce e que estamos a recuperar. É agora que podemos e devemos. Se não o fizermos, se deixarmos degradar mais os serviços públicos, as infraestruturas, o território, estaremos a hipotecar o futuro", enfatizou.

A coordenadora do BE elencou propostas do partido para o OE2019, sendo algumas delas bandeiras já conhecidas como a descida do IVA da luz e do gás ou o aumento mínimo de 10 euros nas pensões mais baixas já em janeiro.

Uma das grandes apostas dos bloquistas no último orçamento da legislatura é o investimento nos serviços públicos.

No caso da saúde, e para "salvar o SNS", Catarina Martins defendeu o aumento de verbas, o fim das taxas moderadores e valorização dos profissionais de saúde.

"Investir na saúde, como na educação, na ciência, na cultura", defendeu.

Em relação aos professores, a líder do BE recordou a pressão do partido que permitiu a vinculação este ano de 7500 docentes, mas avisou que muitos outros se mantêm precários.

"Vincular professores, cumprir o que ficou já determinado no OE2018 - contar o tempo de serviço dos professores e de todos os trabalhadores do Estado - e respeitar as carreiras integralmente", defendeu.

Para o OE2019, o BE quer "menos propinas e mais apoios" no ensino superior.

"Repetir que queremos um país qualificado e manter a completa asfixia orçamental dos setores do conhecimento é o absoluto vazio. Qualifica-se o país com investimento. Um por cento para a Cultura é mais do que tempo", defendeu.

Para os transportes públicos, desde logo a ferrovia, segundo Catarina Martins, também terá de haver verba disponível no OE2019 porque "cada tostão que hoje poupamos na CP gastaremos em dobro ou triplo na recuperação do que se perdeu".

A justiça não fica de fora das prioridades e, por isso, o BE quer um "pequeno passo, mas essencial para garantir o seu acesso" que é "baixar as custas judiciais" já no próximo OE.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."