Advogado português em site de fake news dos donos da Cambridge Analytica

Um dos mais conhecidos sites de notícias falsas dos EUA, que é dos mesmos donos da Cambridge Analytica e da Breitbart, publicou o texto de um português, advogado. Terá este admirável mundo novo chegado a Lisboa? O próprio não quer comentar, mas o texto tornou-se viral no Twitter.

Tiago Sousa Freitas é advogado e trabalha num dos mais conhecidos escritórios de Lisboa, a sociedade liderada por Diogo Leite Campos, fiscalista e professor de Direito. Mas a razão para estar aqui é outra. Escreveu um texto para um dos mais conhecidos divulgadores de notícias falsas dos EUA, o Gatestone Institute. O assunto é Portugal. E o texto tornou-se viral no Twitter.

"Está Portugal a tornar-se num bastião do neo-marxismo", pergunta o título que o advogado assina e está disponível desde a madrugada de sexta-feira. Quase tudo o que ali está escrito descreve a opinião do autor sobre a política portuguesa. Das críticas à "longa tradição socialista" do país, às considerações sobre "a contribuição de um parceiro tóxico - o Bloco de Esquerda" para a atual maioria parlamentar.

Não é o teor do artigo que é curioso - no caso do advogado. Basta conferir a conta do Twitter do próprio para perceber que isso é uma matéria de convicção - lá estão vários textos de Marine Le Pen, por exemplo.

Curioso é o órgão que o publica, o Gatestone. Este é um dos mais conhecidos divulgadores de notícias falsas dos EUA. Notícias como esta: há uma "crise de violações cometidas por refugiados" na Europa, o Reino Unido é uma colónia muçulmana. Ou esta: "Alemanha: Doenças infecciosas alastram com a chegada de refugiados". Ou ainda esta: O Reino Unido proibiu a imprensa de divulgar que ataques terroristas são praticados por muçulmanos.

Estas notícias falsas foram denunciadas, nos EUA, por diferentes publicações de verificação noticiosa.

As principais financiadoras do site - fundado em 2012 - são duas milionárias americanas, apoiantes de Donald Trump, Nina Rosenwald e Rebekah Mercer, esta última a filha do milionário Robert Mercer. Ambos, pai e filha, são considerados os criadores de Steve Bannon, o ex-diretor da campanha de Trump, ex-chefe de estratégia da Casa Branca, e que atualmente se dedica a apoiar os movimentos populistas de extrema direita na Europa. Os Mercer são também donos da Cambridge Analytica -a polémica empresa que ajudou a manipular informações no Facebook nas eleições americanas e no Brexit.

O diretor do instituto é John Bolton, o homem que Trump nomeou para seu conselheiro de segurança nacional. Segundo uma investigação do The Intercept, o Gatestone tentou influenciar com notícias falsas as recentes eleições em "França, Holanda, Áustria e Alemanha".

Apesar de ter uma versão em português, não constava ainda do registo do site americano nenhuma colaboração nacional. Até que Tiago Sousa Freitas descreveu as tentativas de impor o marxismo em Lisboa: "Este poder assumiu a forma de uma intensificação da agenda neo-marxista, com uma tentativa quase bem-sucedida de legalizar a eutanásia, a defesa desproporcional dos direitos dos animais, a possibilidade de mudança de género para qualquer pessoa de 16 anos ou mais, e uma série de medidas draconianas contra o setor privado. No entanto, não é dita uma palavra sobre isto nas plataformas de media portuguesas."

Descontando o facto de o único partido marxista português - o PCP - ter votado contra a legalização da eutanásia, a opinião do advogado português não é uma típica notícia falsa do Gatestone.

Talvez por isso, o único leitor do site que comentou a notícia não parece preocupado com o risco de Portugal vir a inaugurar uma estátua a Marx em São Bento. "Eu não estou convencido de que uma proposta a favor da eutanásia bem controlada, dos direitos dos animais, ou mesmo direitos transgénero, quando apropriados, realmente constituam crenças de extrema-esquerda ou mesmo de esquerda. Muitos conservadores apoiam a eutanásia, os direitos dos animais e os direitos LGBT e outros que são agora predominantes nos países ocidentais. Se essas são as piores coisas que o atual governo fez, ficarei tranquilo."

Já Tiago Sousa Freitas, que aparece descrito no site como um "advogado corporativo em Lisboa", recusou-se a falar sobre o objetivo do site: "Estou mais incomodado com o seu telefonema."

A conversa não começou da melhor forma. "Não tenho nada a dizer sobre o assunto."

E o final, não melhorou. "Não lhe dou qualquer autorização para escrever sobre o assunto." Sendo a autorização desnecessária, a razão para o contacto nem era o texto que escreveu, mas o órgão que o publicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.