Nem sexta nem sábado. Rio só fala no domingo sobre ameaça de Costa

Declaração de Rui Rio chegou a ser esperada para este sábado. Paulo Rangel, candidato do PSD às europeias, disse aos jornalistas que "o PSD falará no momento certo".

O presidente do PSD esteve reunido neste sábado com o núcleo duro da direção do partido e com a comissão permanente que tem acompanhado as votações do descongelamento da carreira dos professores. Apesar de ter sido prevista uma declaração de Rui Rio para este sábado à tarde sobre a crise política desencadeada após a ameaça de demissão do governo, na sexta-feira, Rui Rio só falará amanhã, domingo, soube o DN.

Pouco mais de uma hora antes das 17.00 - hora que foi sendo veiculada como aquela que marcava o início das declarações do líder do PSD - foi enviado um comunicado às redações no qual era anunciado que Rui Rio já não estaria presente na visita ao evento Youth4Europe, na Escola Secundária de Rio Tinto, agendada para essa hora. Esperava-se que o líder social-democrata falasse aí sobre a atual crise política, o que já não acontecerá durante o dia de hoje.

Quem falou foi o cabe-de-lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, que disse aos jornalistas que "o PSD falará no momento certo" e acusou António Costa de "dramatização e encenação", além de ter desencadeado uma crise política.

Fonte social-democrata confirmou ao DN, contudo, que o partido não tenciona recuar na posição que assumiu. "Não vamos ceder à chantagem do António Costa, que está a fazer uma encenação política", acusou. "O Presidente da República que vete o diploma, se achar que não é para aprovar, e que acabe com esta farsa."

A mesma fonte garantiu que o partido não está preocupado com eventuais efeitos colaterais desta decisão: "É uma questão de princípio. O PS já tinha prometido várias vezes consignar nos próximos orçamentos [a questão da recuperação do tempo de serviço]", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.