Montenegro condena Ferreira Leite por querer PSD "pequenino"

O antigo líder parlamentar considerou "graves e descabidas" as afirmações da antiga presidente do PSD que é preferível o partido ter um "pior resultado" eleitoral do que ficar com um "rótulo de direita". E promete falar em breve do partido. Um aviso a Rio e um sinal aos críticos internos à atual liderança.

No programa Almoços Grátis, da TSF, Luís Montenegro foi duro para Manuela Ferreira Leite: "Dizer como ela disse que prefere um mau resultado a um rótulo, a um rótulo que ainda não existe, de uma coisa que ainda nem se realizou, que tem pessoas de vários quadrantes políticos que é a meu ver gravíssimo". Acrescentou que por trás daquela afirmação "está uma ideia de PSD com a qual eu estou em absoluto desacordo".

A ex-líder social-democrata Manuela Ferreira Leite considerou preferível o PSD ter um "pior resultado" eleitoral do que ficar com um "rótulo de direita", num debate em que reduziu a Convenção da Europa e Liberdade à luta pelas listas de deputados e na qual Luís Montenegro vai participar. "É muito perigoso que se possa matar no nosso espaço político a ideia do PSD como um grande partido, com vocação maioritária, com vocação de Governo (...) é mesmo descaracterizar o PSD."

"Esta afirmação de Manuela Ferreira Leite, que corresponde à linha política da atual direção, não é a minha e quero dizer com toda a frontalidade: estarei sempre na linha de um PSD grande e ganhador."

Luís Montenegro garante mesmo: "Nunca militarei em nenhum outro movimento e nenhum outro partido que não seja o PSD nem participarei em nenhuma jogada que possa terminar nisso."

O antigo líder parlamentar social-democrata, que se posicionou como futuro candidato à liderança do partido no congresso de consagração de Rui Rio, deixou um aviso ao líder, que também é um sinal aos críticos internos.

"O PSD assim não se vai conseguir afirmar", lamentou Luís Montenegro prometendo "muito em breve" falará do "estado de coisas e do estado do PSD".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.