Meta de 2% do PIB em 2024 implica gastar mais de 4 mil milhões anuais em Defesa

Estimativas da NATO sobre gastos de Portugal registaram aumento de 330 milhões de euros entre 2017 e 2018, elevando a despesa em pouco mais de uma décima e para 1,36% do PIB

Portugal tem de aumentar anualmente as suas despesas militares à média de uma décima do Produto Interno Bruto (PIB) para atingir a meta dos 2% na NATO até 2024, elevando o respetivo orçamento para a casa dos 4 mil milhões de euros anuais.

Faltando conhecer como é que isso vai ocorrer, sabem-se duas coisas. Uma é que esses aumentos anuais não serão uniformes até 2024 e a segunda é onde: novos sistemas de armas, mais pessoal, melhores salários para praças e no aumento das despesas com operação e manutenção das Forças Armadas, afirmam fontes do setor ouvidas pelo DN.

Em Bruxelas, à margem da cimeira de Chefes de Estado e de Governo que se iniciou esta quarta-feira, o primeiro-ministro afirmou que o plano português para atingir a meta dos 2% do PIB na Defesa em 2024 envolve investimentos de "mil milhões" de euros.

Programas de investigação e desenvolvimento nas ciências do espaço, no desenvolvimento de aparelhos não tripulados (navais e aéreos) e em vestuário e calçado são algumas das áreas identificadas por António Costa para ajudar o país a atingir a referida meta dos 2% do PIB.

A par desse investimento, faltam pelo menos 3000 militares e é necessário "resolver as discrepâncias" nos vencimentos dos postos mais baixos das Forças Armadas em relação aos da PSP e GNR, alertou uma alta patente, lembrando que as praças ganham atualmente alguns euros acima do salário mínimo nacional.

Segundo estimativas divulgadas terça-feira pela NATO, Portugal destinou 1,24% do PIB - 2 398 milhões de euros - na Defesa em 2017. Esses valores subirão este ano para 1,36% do PIB - mais 330 milhões de euros, para 2 728 milhões.

Note-se que cada décima do PIB será maior a cada novo ano, à luz das previsões do FMI sobre o crescimento da economia portuguesa: 3,4% do PIB em 2019 (para 207,6 mil milhões de euros), 3,2% em 2020 (214,3 mil milhões) e 2,9% em cada um dos três anos seguintes (atingindo os 233,6 mil milhões em 2023) - pelo que o orçamento da Defesa em 2024 ultrapassará os 4 mil milhões de euros.

Contudo, mantém-se "um desequilíbrio financeiro brutal" entre as suas três rubricas principais: 80% para pessoal, 11% para investimento (os cerca de 275 milhões de euros inscritos na Lei de Programação Militar) e apenas 9% para operação e manutenção das Forças Armadas, lamentou uma alta patente ao DN.

Quatro quintos do orçamento militar português é para pessoal, restando 11% para investimento e 9% (pouco mais de 200 milhões de euros) para operação e manutenção das Forças Armadas

Daí decorre que, a par do aumento dos orçamentos até à casa dos 4 mil milhões de euros (numa perspetiva conservadora), Portugal terá de corrigir a sua distribuição. Este era um dos pressupostos da reforma "Defesa 2020" aprovada pelo anterior governo PSD/CDS, para chegar aos desejados 60% em pessoal, 20% em operação e manutenção e 20% em investimento.

Note-se que esta percentagem de 20% para investimento é a segunda meta orçamental a atingir até 2024.

Portugal rejeita a ideia de a meta de 2% do PIB aprovada pela NATO ser traduzida apenas no respetivo valor monetário, pois o esforço operacional de participação do país em missões internacionais - contributos no âmbito da gestão de crises e da segurança cooperativa - também deve ser contabilizado.

Certo é que a verba adicional, "se for gasta inteligentemente" em material e equipamentos produzidos pela indústria portuguesa, "pode ajudar a alavancar a economia" nacional, observou uma das fontes.

Na Comissão de Defesa, o ministro Azeredo Lopes destacou há dias a importância de associar o setor às áreas da inovação, investigação e desenvolvimento, à criação de emprego e ao desenvolvimento industrial.

Novos programas

Os primeiros dois novos programas de investimento para as Forças Armadas a curto prazo já são conhecidos: cinco aeronaves de transporte KC-390 (com mais uma de opção) e seis navios de patrulha oceânica (NPO).

Os restantes são há muito conhecidos: novo navio reabastecedor e um navio polivalente logístico, novos e mais helicópteros para a Força Aérea, para a Marinha e vocacionados para as operações terrestres do Exército, a eventual substituição da extinta esquadra dos caças Alpha Jet (formação, ataque ao solo), mais viaturas blindadas de transporte, equipamentos de proteção individual dos soldados e de vigilância do campo de batalha, entre outros.

"O plano ainda não está fechado", explicou uma das fontes, mas "o que o Governo precisa de dizer já disse" - e que é, segundo afirmou o ministro da Defesa no Parlamento, mostrar que o país "caminha para esse objetivo". Objetivo que, para o presidente dos EUA, parece ser o único ponto de interesse da cimeira da NATO iniciada esta quarta-feira.

O ministro Azeredo Lopes assumiu há dias que seria "um excelente resultado" a cimeira de dois dias não servir de "pretexto para alguma acidez e alguma acrimónia" entre os aliados sobre a partilha de custos na NATO.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.