Medina deixa elogios a Robles. E diz que acordo é para manter

Autarca de Lisboa contactou a direção do Bloco e manifestou "empenho" em continuar acordo que permite governação com maioria na cidade.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, reafirmou nesta segunda-feira à tarde a sua aposta no acordo de governação para a cidade com os bloquistas, que lhe garantiram idêntico "empenho", depois de "conhecida a decisão pessoal de renúncia de Ricardo Robles."

Num post publicado na sua conta do Facebook, Fernando Medina refere que "o acordo político celebrado depois das eleições autárquicas entre o PS e o Bloco de Esquerda, alicerçado num importante conjunto de matérias programáticas e políticas para a cidade (como o aumento da rede de creches, a melhoria das escolas e das refeições escolares, o reforço do apoio social, o acesso à habitação ou a promoção do transporte público), mantém-se inalterado". E logo a seguir Medina esclarece que a vontade é mútua: "Entrei em contacto com a direção do Bloco, que garantiu o empenho na prossecução do acordo."

Na hora da despedida de Robles - que declarou nesta segunda-feira de manhã que tinha renunciado ao cargo -, o presidente da câmara da capital deixou também elogios ao vereador que, até agora, lhe garantia a maioria de governação. "Quero agradecer o seu trabalho e o seu empenho ao serviço da cidade, qualidades que demonstrou como deputado municipal e como vereador, quer na oposição quer no exercício de funções de vereador com pelouro."

Fernando Medina antecipa que vai pedir, "nas próximas semanas, que o PS de Lisboa reúna a sua comissão política "e que se realize uma reunião com os órgãos do Bloco de Esquerda, no sentido de assegurar as condições para reforçar a prossecução do acordo estabelecido".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?