Marinha retira vídeos com a Polícia Marítima das redes sociais

Medida adotada após o Ministério da Defesa questionar a presença de meios e agentes de uma força de segurança em filmes promocionais do ramo naval das Forças Armadas.

A Marinha retirou há dias, das redes sociais, o seu vídeo promocional deste ano onde apareciam agentes e meios da Polícia Marítima em atividade.

O ramo naval das Forças Armadas confirmou a informação dada ao DN por fontes policiais, precisando que a decisão motivada após intervenção do Ministério da Defesa visou apenas o YouTube porque o vídeo já tinha sido retirado das outras plataformas.

A edição de 2018 do vídeo "Servir Portugal no mar", de promoção à Marinha, voltou a mostrar a Polícia Marítima como se esta força de segurança fizesse parte das Forças Armadas.

O Ministério agiu após queixa da Associação Socio-Profissional da Polícia Marítima (ASPPM), argumentando que o filme "mais uma vez integra a imagem, as atividades e a locução dos profissionais" daquela força de segurança "como se de militares da Marinha se tratem".

Segundo a ASPPM, essa opção da Marinha contrariava "o entendimento do Provedor de Justiça" sobre um problema que se arrasta há anos - decorrente do entendimento do ramo de que também pode exercer poderes de autoridade marítima (inspeção, fiscalização) - e foi enviado ao Ministério da Defesa em meados de 2017.

O Provedor de Justiça instou o ministro da Defesa a promover a "afirmação da identidade distintiva da Polícia Marítima por forma a ser possível destrinçá-la com clareza, no quadro do exercício da autoridade do Estado, daquele que é o apoio e a cooperação prestados pela Marinha [à] Autoridade Marítima Nacional".

Note-se que o chefe militar da Marinha exerce também a função de Autoridade Marítima Nacional (AMN), a fim de ser "responsável pela coordenação das atividades, de âmbito nacional, a executar pela Marinha e pela Direção-Geral da Autoridade Marítima".

Provedor de Justiça

O então Provedor, José de Faria Costa, alertou ainda para a importância de dar "permanente atenção à salvaguarda institucional da Polícia Marítima enquanto força policial, com vista a prevenir situações de possível equívoco ou confusão com aquele ramo das Forças Armadas".

Importa "acautelar [...] a diferenciação clara do que é a atividade de polícia nos espaços marítimos soberanos e jurisdicionais", os primeiros até às 12 milhas e os segundos até às 200 milhas, defendeu ainda o Provedor de Justiça no parecer enviado ao ministro da Defesa.

Note-se que, segundo reafirmou há dias ao DN uma jurista da Marinha na presença do chefe do Estado-Maior do ramo, a partir das 12 milhas (e até às 200 milhas) aplica-se o Direito Internacional Marítimo em vez da jurisdição portuguesa.

Contudo, como diz o Regulamento Geral das Capitanias, "entende-se por jurisdição marítima a atividade exercida pelas autoridades marítimas para o desempenho da sua competência".

Acresce que autoridade marítima é "o poder público a exercer nos espaços marítimos sob soberania ou jurisdição nacional, traduzido [...] no exercício de fiscalização e de polícia" para garantir o "cumprimento das leis e regulamentos aplicáveis nos espaços marítimos sob jurisdição nacional", determina o diploma que criou o Sistema de Autoridade Marítima.

E este mesmo diploma exclui expressamente a Marinha da lista de entidades que "exercem o poder de autoridade marítima no quadro do SAM e no âmbito das respetivas competências".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)