Marcelo já tirou selfies com 330 mil portugueses? Sondagem diz que sim

Inquérito da Eurosondagem tentou avaliar quantas pessoas gostariam de tirar uma foto ao lado do Presidente da República. E quantos afirmam já o ter feito

A imagem já é quase um lugar comum: Marcelo Rebelo de Sousa visita um qualquer lugar aberto à população em geral e é de imediato rodeado por dezenas de pessoas que lhe pedem para tirar uma foto de telemóvel com elas.

A temperatura do país relativamente a esta verdadeira febre de selfies com Marcelo foi este sábado medida pelo Expresso. O semanário publicou os resultados de um inquérito da Eurosondagem segundo o qual mais de metade dos portugueses (52,5%) deseja vir um dia a tirar uma fotografia ao lado do atual Presidente.

Confirma-se, assim, o que vemos quase todos os dias na televisão.

Mais surpreendente, no entanto, é o resultado apresentado relativamente ao número de pessoas que afirmam ter já uma foto sua com Marcelo Rebelo de Sousa. Segundo o Expresso, foram 3,3% os inquiridos que responderam a esta pergunta afirmativamente.

Ora se contabilizarmos a população nacional nos habituais 10 milhões de pessoas, o estudo afirma que Marcelo Rebelo de Sousa já tirou 330 mil selfies com portugueses...

Ou, dito de outra forma, tirou fotos com 165 mil pessoas em cada ano em que está em Belém. São mais de 450 pessoas por dia nos primeiros dois anos de mandato.

Naturalmente, existe uma margem de erro a ter em conta, inerente a todos os inquéritos de opinião. O resultado do mesmo depende também da amostra consultada (número de pessoas contactadas) e do método utilizado. Mas estas informações o semanário não publica este sábado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.