Marcelo: veto de Cavaco a Saramago em 1992 foi "falta de senso e de gosto"

Governo de Cavaco vetou a candidatura da obra de José Saramago O Evangelho sobre Jesus Cristo ao Prémio Literário Europeu.

O Presidente da República classificou nesta segunda-feira de "falta de senso e falta de gosto" o veto governamental, em 1992, da candidatura da obra de José Saramago O Evangelho sobre Jesus Cristo ao Prémio Literário Europeu, recordando que selou as pazes com o escritor com um abraço numa praça de Madrid.

Marcelo Rebelo de Sousa falava em Coimbra, na abertura do congresso que celebra os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel de Literatura a José Saramago (anunciado em 8 de outubro de 1998), e lembrou que se cruzou várias vezes com o escritor e com a sua companheira, Pilar del Río.

"Cruzámo-nos naquele dia de outubro de 1998, sendo eu líder de um partido [o PSD] cujo governo tinha sido motivo invocado para que José Saramago zarpasse de terras de Portugal para ilhas espanholas", disse o Presidente da República, aludindo ao veto feito pelo subsecretário de Estado da Cultura de então, do governo de Cavaco Silva, António Sousa Lara, à obra de Saramago.

"Atravessei uma praça madrilena para ir dar um abraço a José Saramago, pondo assim fim àquilo que era uma falta de senso e falta de gosto."

Marcelo revelou que as pazes do PSD, que então liderava, foram seladas com o escritor, nesse dia, seis anos depois do episódio que levou José Saramago a "exilar-se" em Espanha: "Nesse dia (...) atravessei uma praça madrilena para ir dar um abraço a José Saramago, pondo assim fim àquilo que era uma falta de senso e falta de gosto ao mesmo tempo, em termos de vivência na sociedade portuguesa."

No final de setembro, o Presidente sugeriu que tinha faltado sentido de Estado a Cavaco Silva, quando o ex-Presidente da República criticou a não recondução da procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, cujo mandato terminará por isso no final desta semana.

"Entendo que, desde que tenho estas funções, não devo comentar nem ex-presidentes nem, amanhã quando deixar de o ser, futuros Presidentes. Por uma questão de cortesia e de sentido de Estado", comentou Marcelo em 27 de setembro. Agora criticou uma decisão de Cavaco Silva, mas quando este era primeiro-ministro.

O Chefe do Estado revelou depois que se cruzou noutras ocasiões com Saramago. "Também nos descruzámos várias vezes, a vida é feita de cruzamentos e descruzamentos", argumentou Marcelo.

Ler mais

Exclusivos