Marcelo avisa PSD para que não se deixe fragmentar

O Presidente da República está de férias no interior, mas comentou às televisões as últimas notícias do seu partido de sempre - o avanço de Pedro Duarte e a desfiliação de Santana

"A mim o que me preocupava e preocupa é que a oposição não se fragmente de tal maneira que deixe ser ser uma alternativa de poder".

Este foi um dos comentários, esta manhã, do Presidente da República, à situação interna no PSD. De férias nas zonas atingidas pelos incêndios do ano passado, Marcelo foi interpelado pela SIC numa praia fluvial de Vouzela.

Embora salientando que o Presidente "não pode nem se deve imiscuir na vida dos partidos", o Presidente da República acrescentou que é seu dever "garantir a coesão" nos partidos de poder para que o Governo funcione e "que quem está na oposição seja forte para dar uma alternativa".

Em relação ao avanço de Pedro Duarte - que foi diretor da sua campanha presidente - Marcelo garantiu não ter recebido nenhum aviso prévio da sua decisão.

O que lhe foi comunicado foi, isso sim, a decisão de Santana Lopes de deixar o PSD: "De facto foi-me comunicando o seu estado de espírito". Contudo, ainda não leu a carta com o que o ex-líder do PSD e ex-primeiro-ministro se desfiliou.

"Foi uma opção que ele fez, uma opção drástica, uma mudança de vida drástica, tendo sido uma figura importante do partido", disse Marcelo sobre Santana, acrescentando a sua opinião sobre o ato de desfiliação. "Tenho a filiação suspensa, mas para mim o partido é uma família e não se muda de família. Mas tenho grandes amigos que pensam o contrário e mudam de partido."

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.