Madonna vai pagar 720 euros/mês por estacionamento em Lisboa

O gabinete do presidente da câmara de Lisboa afirmou hoje ao DN que existe um contrato escrito que regula a cedência à cantora norte-americana

Madonna vai pagar 720 euros/mês pelo espaço na Rua das Janelas Verdes, ao pé do palacete que comprou, onde poderá estacionar até 15 viaturas. Contas feitas a 22 dias úteis por mês (os dias em que o estacionamento é pago), dá 32,7 euros por dia. Ou seja: 2,18 euros/dia por cada um dos 15 carros.

A informação foi avançada ao DN por uma fonte do gabinete do presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Segundo a mesma fonte, "em janeiro de 2018 foi feita uma cedência de terreno nas traseiras do palácio pombal para estacionamento".

A cedência é "a título precário e manter-se-á até que a CML necessite do espaço ou que terminem as obras em curso nos prédios na Rua das Janelas Verdes [obras a cargo de Madonna]."

De acordo com a mesma fonte, "a cedência está titulada por um contrato de cedência de utilização, similar a dezenas de outros realizados pelo Município". E será "a título oneroso, sendo devidos 720 euros por cada mês de ocupação. O valor em causa resulta da aplicação previsto na Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais. (€2,40 x 309 m 2)."

O contrato será revelado amanhã, segunda-feira, e só não o foi feito antes porque, de acordo com o interlocutor do DN, os serviços camarários estão fechados durante o fim de semana.

Fernando Medina está cada vez mais pressionado a dar explicações. As exigências de esclarecimento, além de comuns à oposição toda, já são também do Bloco de Esquerda, partido que tem um acordo de governação com Fernando Medina.

O parque de estacionamento fica nas traseiras do Palácio Pombal, o qual pertence à autarquia e poderá vir a ser a futura embaixada de Timor-Leste (a cedência está ser negociada).

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.