Kofi Annan "foi sempre um aliado de Portugal", recorda António Monteiro

Embaixador e antigo chefe da diplomacia portuguesa realça o "relevo social" que Kofi Annan conseguiu dar às Nações Unidas.

Kofi Annan "foi sempre um aliado de Portugal nas causas mais complicadas e sobretudo na questão de Timor", enalteceu este sábado o embaixador António Monteiro ao DN.

O antigo secretártio-geral da ONU, cuja morte aos 80 anos foi anunciada este sábado, "teve uma ação absolutamente notável" em relação a Timor porque, "além de manter a imparcialidade" inerente ao exercício das suas funções, "nunca escondeu a sua vontade de estar ao lado do Direito Internacional e da legalidade internacional", frisou António Monteiro.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros português lembrou ter tomado posse, como embaixador de Portugal junto da ONU, no mesmo dia 1 de janeiro de 1997 em que Annan assumiu as funções de secretário-geral da organização.

"A primeira coisa que me disse em relação a Timor, e foi ele que tomou a iniciativa, foi que iria" iniciar o seu mandato com a nomeação de um representante especial do secretário-geral para acompanhar o caso - "e isso mudou complemente" a posição e a defesa da causa nas Nações Unidas, recordou António Monteiro.

Annan "teve dois mandatos notáveis, sobretudo o primeiro", tendo mesmo o então embaixador dos EUA junto das Nações Unidas sido "o primeiro a defini-lo como um dirigente da ONU que tinha uma qualidade de rock star".

Apesar de ter tido um segundo mandato complicado por causa da guerra no Iraque, a verdade é que Kofi Annan "foi um homem extraordinário, notável", referiu o diplomata.

Numa altura em que a crise financeira da ONU estava em cima da mesa, Annan conseguiu "dar relevo social" à organização e promover a sua "aproximação muito grande à sociedade civil". Uma das "coisas notáveis" que ele alcançou foi a criação do "Fundo Turner", uma contribuição de muitos milhões de dólares feita pelo fundador da CNN.

"Era um secretário-geral das Nações Unidas com grandes iniciativas, um homem da máquina que não só conhecia a máquina como também sabia como valorizar a ação" da ONU, afirmou ainda António Monteiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.