Kofi Annan "foi sempre um aliado de Portugal", recorda António Monteiro

Embaixador e antigo chefe da diplomacia portuguesa realça o "relevo social" que Kofi Annan conseguiu dar às Nações Unidas.

Kofi Annan "foi sempre um aliado de Portugal nas causas mais complicadas e sobretudo na questão de Timor", enalteceu este sábado o embaixador António Monteiro ao DN.

O antigo secretártio-geral da ONU, cuja morte aos 80 anos foi anunciada este sábado, "teve uma ação absolutamente notável" em relação a Timor porque, "além de manter a imparcialidade" inerente ao exercício das suas funções, "nunca escondeu a sua vontade de estar ao lado do Direito Internacional e da legalidade internacional", frisou António Monteiro.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros português lembrou ter tomado posse, como embaixador de Portugal junto da ONU, no mesmo dia 1 de janeiro de 1997 em que Annan assumiu as funções de secretário-geral da organização.

"A primeira coisa que me disse em relação a Timor, e foi ele que tomou a iniciativa, foi que iria" iniciar o seu mandato com a nomeação de um representante especial do secretário-geral para acompanhar o caso - "e isso mudou complemente" a posição e a defesa da causa nas Nações Unidas, recordou António Monteiro.

Annan "teve dois mandatos notáveis, sobretudo o primeiro", tendo mesmo o então embaixador dos EUA junto das Nações Unidas sido "o primeiro a defini-lo como um dirigente da ONU que tinha uma qualidade de rock star".

Apesar de ter tido um segundo mandato complicado por causa da guerra no Iraque, a verdade é que Kofi Annan "foi um homem extraordinário, notável", referiu o diplomata.

Numa altura em que a crise financeira da ONU estava em cima da mesa, Annan conseguiu "dar relevo social" à organização e promover a sua "aproximação muito grande à sociedade civil". Uma das "coisas notáveis" que ele alcançou foi a criação do "Fundo Turner", uma contribuição de muitos milhões de dólares feita pelo fundador da CNN.

"Era um secretário-geral das Nações Unidas com grandes iniciativas, um homem da máquina que não só conhecia a máquina como também sabia como valorizar a ação" da ONU, afirmou ainda António Monteiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.