Jerónimo admite PCP no governo. E a geringonça? "Sim, valeu a pena"

O secretário-geral do PCP admitiu hoje a possibilidade de o partido ir para o governo, numa entrevista em que garantiu que não condicionará o voto no Orçamento do Estado (OE) à contagem do tempo dos professores.

Em entrevista ao canal 1 da RTP, Jerónimo de Sousa assegurou que "o PCP está em condições de assumir qualquer responsabilidade", incluindo a de formar governo, assinalando, contudo, que há "uma questão central: para quê e para quem?".

"Sem rutura e uma política alternativa, ir para o poder pelo poder, para isso não estamos disponíveis", acentuou.

Para justificar a "importância de dar mais força ao PCP" nas próximas legislativas, o líder comunista argumentou que "sempre que o PS foi governo, incluindo com maioria absoluta, não houve uma política de esquerda".

Jerónimo de Sousa recordou os vários "avanços" alcançados com a solução política da 'geringonça', como o "aumento extraordinário das pensões", ao qual, de início, o executivo e até o BE estavam "renitentes".

Questionado várias vezes pelo jornalista Vítor Gonçalves se a solução da 'geringonça' "valeu a pena", o secretário-geral comunista tentou algumas vezes contornar a questão, mas lá acabou por dizer que sim.

"Valeu (a pena) pelos avanços que se conseguiram alcançar", admitiu, apesar de, por várias vezes, acusar o PS de prosseguir uma "política de direita", insistir na necessidade de uma rutura com a situação atual e, no essencial, os socialistas cederem ao PSD e ao CDS.

Quanto à contagem do tempo de trabalho dos professores, suspenso durante o período da crise financeira, Jerónimo de Sousa recordou que é uma medida inscrita no OE de 2018 e rejeitou condicionar a sua concretização ao voto do PCP no Orçamento do Estado para o próximo ano.

"O nosso posicionamento é um posicionamento político geral", referiu o dirigente comunista, apesar de apoiar a "justa reivindicação" dos professores e considerar que "a questão nem se deveria colocar".

Para reforçar, Jerónimo lembrou que "na negociação do OE não de discutem aumentos salariais", até porque os partidos não se substituem aos sindicatos.

A terminar a entrevista, o secretário-geral do PCP rejeitou intrometer-se na questão da recondução do mandato da atual procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal.

O PCP "não se vai envolver nesse debate", que é uma questão entre o Presidente da República e o executivo, sublinhou, rejeitando "julgamentos apressados" sobre o mandato de Joana Marques Vidal, mas reconhecendo "avanços significativos" e admitindo que a atual procuradora-geral da República lidou com "dificuldades imensas" e com "grandes constrangimentos" no que respeita aos meios humanos e materiais da instituição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.