Isabel Meirelles critica "tom de vacuidade e politiqueiro" de Luís Montenegro

A vice-presidente do PSD critica ex-lider parlamentar por justificar a sua candidatura à liderança do partido com as sondagens

Isabel Meirelles, vice-presidente do PSD, mostrou-se esta sexta-feira "extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal" usado pelo antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, ao desafiar o presidente do partido, Rui Rio, a marcar eleições diretas já.

Luís Montenegro anunciou que está disponível para ser "de imediato" candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

"Na sequência do discurso que ouvimos do doutor Luís Montenegro fiquei extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal. Não vimos ali expressa uma única ideia e isso deixa-me extraordinariamente triste porque esta direção tinha inaugurado uma maneira diferente de fazer política", salientou Isabel Meirelles, em declarações aos jornalistas, sem direito a perguntas, na sede do partido.

A vice-presidente do PSD deixou claro que era uma "declaração em nome pessoal" que não vincula a restante direção "e muito menos o presidente do partido, Rui Rio".

"O único argumento de peso que aqui foi apresentado foi a queda das sondagens. Ora isto não é fundamento em sítio nenhum senão o doutor Rui Rio nunca tinha sido eleito por três vezes para presidente da Câmara do Porto, não tinha ganho as diretas e nem sequer o doutor Passos Coelho teria alguma vez ganho as últimas eleições legislativas", criticou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.