Isabel Meirelles critica "tom de vacuidade e politiqueiro" de Luís Montenegro

A vice-presidente do PSD critica ex-lider parlamentar por justificar a sua candidatura à liderança do partido com as sondagens

Isabel Meirelles, vice-presidente do PSD, mostrou-se esta sexta-feira "extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal" usado pelo antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, ao desafiar o presidente do partido, Rui Rio, a marcar eleições diretas já.

Luís Montenegro anunciou que está disponível para ser "de imediato" candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

"Na sequência do discurso que ouvimos do doutor Luís Montenegro fiquei extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal. Não vimos ali expressa uma única ideia e isso deixa-me extraordinariamente triste porque esta direção tinha inaugurado uma maneira diferente de fazer política", salientou Isabel Meirelles, em declarações aos jornalistas, sem direito a perguntas, na sede do partido.

A vice-presidente do PSD deixou claro que era uma "declaração em nome pessoal" que não vincula a restante direção "e muito menos o presidente do partido, Rui Rio".

"O único argumento de peso que aqui foi apresentado foi a queda das sondagens. Ora isto não é fundamento em sítio nenhum senão o doutor Rui Rio nunca tinha sido eleito por três vezes para presidente da Câmara do Porto, não tinha ganho as diretas e nem sequer o doutor Passos Coelho teria alguma vez ganho as últimas eleições legislativas", criticou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.