Helena Roseta: "Arrendamento em Lisboa está em colapso"

Deputada independente pelo PS defende urgência de medidas na área da habitação, apontando o exemplo da capital. Numa carta enviada ao líder parlamentar socialista diz que "adiar sucessivamente votações é contrário às regras democráticas"

Helena Roseta, deputada independente pelo PS que hoje se demitiu da coordenação do grupo parlamentar de trabalho sobre habitação, em protesto contra o adiamento das votações pedida pelos socialistas, considera que "adiar sucessivamente votações porque não se tem maioria" é um "comportamento contrário às regras democráticas, sem suporte nas disposições regimentais e regulamentares da Assembleia da República".

Não perca aqui o diagnóstico de Roseta:

A declaração consta da carta de demissão enviada pela arquiteta ao presidente do grupo parlamentar do PS, Carlos César, e que a também presidente da Assembleia Municipal de Lisboa divulgou no seu site pessoal. Na missiva, intitulada "Obviamente, demito-me", Roseta diz que a "democracia não se esgota no apuramento das maiorias, implica também o respeito por um conjunto de regras na formação democrática da opinião dos órgãos eleitos. Nesse quadro, a disciplina partidária tem um papel relevante, mas não pressupõe o abandono do primeiro critério de decisão de qualquer eleito, no momento do voto, que é o respeito pela sua consciência".

Invocando este princípio, e também "porque o tema em causa é manifestamente muito urgente", a deputada diz esperar e desejar que a "direção do grupo parlamentar do PS e o Governo consigam obter as maiorias necessárias, que até agora não lograram, para defender o direito à habitação e a regulação do mercado do arrendamento". Um mercado que "está em colapso em Lisboa, com graves implicações na vida de milhares de famílias e subidas de preço insustentáveis".

As leis aprovadas no Parlamento não são varinhas mágicas. Mas isso não diminui a urgência do tema


"Reconheço nesta matéria causas estruturais e conjunturais que levam à sobreposição de falhas de mercado e falhas de Estado. Também reconheço que as leis aprovadas no Parlamento não são varinhas mágicas e que é vital aumentar substancialmente o investimento público na habitação. Mas isso não diminui a urgência do tema, antes a aprofunda", escreve a deputada independente na carta ao líder parlamentar socialista.

Sublinhando que a sua luta pelo "direito à habitação e pela democracia não é de agora", Roseta termina afirmando que continuará a lutar "pelo cumprimento integral do artigo 65º da Constituição da República" - que atribui ao Estado a responsabilidade de assegurar o direito à habitação -, lembrando que ajudou a redigir esta imposição constitucional.

"Resta-me algo que não me pode ser retirado, e cito Miguel Torga, que é "o terrível poder de recusar"", conclui a deputada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.