General diz que ação dos militares no exterior traduz qualidade do treino e formação do Exército

Quinto contingente do Exército para a missão da ONU na República Centro-Africana recebeu o estandarte nacional no Regimento de Comandos.

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) afirmou esta sexta-feira que os resultados das forças nacionais destacadas "são efetivos e consistentes" com a "eficiência, eficácia, identidade e oportunidade dos sistemas de recrutamento, formação, aprontamento e sustentação" do ramo.

O general Nunes da Fonseca intervinha no Regimento de Comandos, durante a cerimónia de entrega do estandarte nacional ao quinto contingente conjunto destacado para a missão da ONU na República Centro-Africana (RCA) e cuja projeção começa ainda este mês.

Essa força de 180 efetivos é comandada pelo tenente-coronel comando Rui Moura, integra três controladores aéreos avançados da Força Aérea e, pela primeira vez numa unidade de combate, duas mulheres do Exército: a primeiro-sargento Maria Campino e a primeiro-cabo Catarina Silva, ambas de Cavalaria.

Numa cerimónia em que participaram o Bispo das Forças Armadas e dois ex-CEME, os generais Rocha Vieira e Carlos Jerónimo, entre outras figuras militares e civis, Nunes da Fonseca lembrou que a RCA é "um dos mais exigentes" teatros de operações onde os militares portugueses já estiveram durante as duas décadas e meia de participação em missoes internacionais de paz.

Mas essa participação tem obtido "unanimidade e aplauso" quanto à "competência individual e coletiva do soldado português", o qual se pauta pela "imparcialidade de atitudes" face aos beligerantes e por desenvolver "ações enquadradas" pelo mandato da força e pela legislação internacional, frisou o CEME.

Para isso "acresce a certificação das forças" a destacar, "com os mais elevados padrões internacionais" e que as "habilitam a participar" nas operações de "mais elevado risco", realçou ainda o CEME.

A cerimónia, que decorreu na parada no quartel da Carregueira (Sintra) e foi transmitida em direto pelo Exército nas redes sociais, envolveu a leitura do Código Comando e a tradicional homenagem aos militares comandos mortos em combate, que envolvem o cravar no solo de três espingardas de assalto G-3 - representando oficiais, sargentos e praças - com uma boina vermelha em cada uma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.