General diz que ação dos militares no exterior traduz qualidade do treino e formação do Exército

Quinto contingente do Exército para a missão da ONU na República Centro-Africana recebeu o estandarte nacional no Regimento de Comandos.

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) afirmou esta sexta-feira que os resultados das forças nacionais destacadas "são efetivos e consistentes" com a "eficiência, eficácia, identidade e oportunidade dos sistemas de recrutamento, formação, aprontamento e sustentação" do ramo.

O general Nunes da Fonseca intervinha no Regimento de Comandos, durante a cerimónia de entrega do estandarte nacional ao quinto contingente conjunto destacado para a missão da ONU na República Centro-Africana (RCA) e cuja projeção começa ainda este mês.

Essa força de 180 efetivos é comandada pelo tenente-coronel comando Rui Moura, integra três controladores aéreos avançados da Força Aérea e, pela primeira vez numa unidade de combate, duas mulheres do Exército: a primeiro-sargento Maria Campino e a primeiro-cabo Catarina Silva, ambas de Cavalaria.

Numa cerimónia em que participaram o Bispo das Forças Armadas e dois ex-CEME, os generais Rocha Vieira e Carlos Jerónimo, entre outras figuras militares e civis, Nunes da Fonseca lembrou que a RCA é "um dos mais exigentes" teatros de operações onde os militares portugueses já estiveram durante as duas décadas e meia de participação em missoes internacionais de paz.

Mas essa participação tem obtido "unanimidade e aplauso" quanto à "competência individual e coletiva do soldado português", o qual se pauta pela "imparcialidade de atitudes" face aos beligerantes e por desenvolver "ações enquadradas" pelo mandato da força e pela legislação internacional, frisou o CEME.

Para isso "acresce a certificação das forças" a destacar, "com os mais elevados padrões internacionais" e que as "habilitam a participar" nas operações de "mais elevado risco", realçou ainda o CEME.

A cerimónia, que decorreu na parada no quartel da Carregueira (Sintra) e foi transmitida em direto pelo Exército nas redes sociais, envolveu a leitura do Código Comando e a tradicional homenagem aos militares comandos mortos em combate, que envolvem o cravar no solo de três espingardas de assalto G-3 - representando oficiais, sargentos e praças - com uma boina vermelha em cada uma.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.