Faleceu antigo presidente do parlamento e dirigente do CDS Oliveira Dias

O antigo presidente da Assembleia da República, deputado e dirigente do CDS Francisco de Oliveira Dias faleceu esta segunda-feira, aos 88 anos, disse à agência Lusa fonte oficial do parlamento.

Médico de profissão e presidente da Assembleia da República entre outubro de 1981 e novembro de 1982, o corpo de Francisco Oliveira Dias chegará hoje, pelas 17:00, à Capela Mortuária da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Benfica.

A missa de corpo presente realiza-se na terça-feira, pelas 10:00, seguindo o funeral para o Cemitério de Benfica.

"A bandeira da Assembleia da República está a meia haste desde o final desta manhã", adiantou à agência Lusa a mesma fonte do parlamento.

"É com enorme tristeza que acabo de tomar conhecimento do falecimento do Antigo presidente da Assembleia da República, Francisco de Oliveira Dias", refere Eduardo Ferro Rodrigues, numa nota enviada à Lusa.

O presidente da Assembleia da República salienta em seguida que Portugal perdeu um "grande democrata".

"Um cidadão ao qual o parlamento e a República muito devem. Deixa-nos hoje um amigo. À sua Família e Amigos endereço, em meu nome e em nome da Assembleia da República, as mais sentidas condolências", escreve o presidente do parlamento e antigo secretário-geral do PS.

Ferro Rodrigues destaca também que Francisco de Oliveira Dias, médico de profissão, "foi um notável político português, tendo participado na fundação do Centro Democrático Social (CDS), partido de que foi dirigente".

Deputado à Assembleia Constituinte de 1975-1976, durante a qual participou, ativamente, na elaboração da Constituição da República Portuguesa, Oliveira Dias foi, nesse ano, eleito deputado à Assembleia da República, para a qual foi sucessivamente reeleito até 1983. Entre 22 de outubro de 1981 e 02 de novembro de 1982, assumiu a presidência do parlamento, sucedendo a Vasco da Gama Fernandes, a Teófilo Carvalho dos Santos e a Leonardo Ribeiro de Almeida", recorda Ferro Rodrigues.

Segundo o presidente da Assembleia da República, Oliveira Dias, enquanto deputado, "foi proponente de um conjunto muito vasto de diplomas, do domínio autárquico à área do património histórico, passando pela autonomia das universidades ou pelo ensino da língua e difusão da cultura portuguesa no estrangeiro".

"Integrou a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, tendo sido membro da sua Comissão de Educação e Cultura. Francisco de Oliveira Dias foi ainda membro do Conselho de Estado, após a revisão constitucional de 1982. Foi um cidadão empenhado até ao último dos seus dias, participando ativamente nos grandes debates promovidos pela sociedade portuguesa, e sendo presença frequente nas iniciativas desenvolvidas pelo parlamento", acrescenta Ferro Rodrigues.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.