Faleceu antigo presidente do parlamento e dirigente do CDS Oliveira Dias

O antigo presidente da Assembleia da República, deputado e dirigente do CDS Francisco de Oliveira Dias faleceu esta segunda-feira, aos 88 anos, disse à agência Lusa fonte oficial do parlamento.

Médico de profissão e presidente da Assembleia da República entre outubro de 1981 e novembro de 1982, o corpo de Francisco Oliveira Dias chegará hoje, pelas 17:00, à Capela Mortuária da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Benfica.

A missa de corpo presente realiza-se na terça-feira, pelas 10:00, seguindo o funeral para o Cemitério de Benfica.

"A bandeira da Assembleia da República está a meia haste desde o final desta manhã", adiantou à agência Lusa a mesma fonte do parlamento.

"É com enorme tristeza que acabo de tomar conhecimento do falecimento do Antigo presidente da Assembleia da República, Francisco de Oliveira Dias", refere Eduardo Ferro Rodrigues, numa nota enviada à Lusa.

O presidente da Assembleia da República salienta em seguida que Portugal perdeu um "grande democrata".

"Um cidadão ao qual o parlamento e a República muito devem. Deixa-nos hoje um amigo. À sua Família e Amigos endereço, em meu nome e em nome da Assembleia da República, as mais sentidas condolências", escreve o presidente do parlamento e antigo secretário-geral do PS.

Ferro Rodrigues destaca também que Francisco de Oliveira Dias, médico de profissão, "foi um notável político português, tendo participado na fundação do Centro Democrático Social (CDS), partido de que foi dirigente".

Deputado à Assembleia Constituinte de 1975-1976, durante a qual participou, ativamente, na elaboração da Constituição da República Portuguesa, Oliveira Dias foi, nesse ano, eleito deputado à Assembleia da República, para a qual foi sucessivamente reeleito até 1983. Entre 22 de outubro de 1981 e 02 de novembro de 1982, assumiu a presidência do parlamento, sucedendo a Vasco da Gama Fernandes, a Teófilo Carvalho dos Santos e a Leonardo Ribeiro de Almeida", recorda Ferro Rodrigues.

Segundo o presidente da Assembleia da República, Oliveira Dias, enquanto deputado, "foi proponente de um conjunto muito vasto de diplomas, do domínio autárquico à área do património histórico, passando pela autonomia das universidades ou pelo ensino da língua e difusão da cultura portuguesa no estrangeiro".

"Integrou a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, tendo sido membro da sua Comissão de Educação e Cultura. Francisco de Oliveira Dias foi ainda membro do Conselho de Estado, após a revisão constitucional de 1982. Foi um cidadão empenhado até ao último dos seus dias, participando ativamente nos grandes debates promovidos pela sociedade portuguesa, e sendo presença frequente nas iniciativas desenvolvidas pelo parlamento", acrescenta Ferro Rodrigues.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.