Exército já tem 500 militares em permanência para vigiar fogos

Ramo terrestre das Forças Armadas, que tem 46 patrulhas no terreno, aprovou plano de apoio militar de emergência

O Exército "garante em permanência o emprego de 46 patrulhas de vigilância e deteção" desde o passado dia 1 deste mês, informou o ramo.

Além dos cerca de 500 militares destacados para essas ações de apoio à Proteção Civil, há ainda, em estado de prontidão a 24 horas, um total de quatro grupos de comando e ligação, cinco destacamentos de engenharia e 10 módulos para operações de rescaldo e vigilância pós-incêndios.

O ramo anunciou ainda ter aprovado já o chamado plano de apoio militar de emergência do Exército (PAMEEX), que define a forma de emprego das respetivas capacidades existentes em várias unidades do país - coordenadas a partir do regimento de Abrantes - em situações de catástrofe ou acidentes graves.

Auxílio no combate e no rescaldo dos incêndios, apoio médico-sanitário, busca e salvamento terrestre, reabilitação de infraestruturas, distribuição de água e alimentos, fornecimento de tendas de campanha e geradores são algumas das capacidades do Exército geridas a partir do Regimento de Apoio Militar de Emergência (RAME).

A importância dos militares dos três ramos das Forças Armadas no apoio à Autoridade Nacional de Proteção Civil e às autarquias, em matéria de incêndios, aumentou significativamente após as tragédias ocorridas em 2017.

Além dos equipamentos (botas, capacetes, óculos, pás) individuais fornecidos aos militares do Exército, à Força Aérea foi atribuída a futura gestão e comando de todos os meios aéreos do Estado (permanentes e alugados).

Embora a Força Aérea não tenha ainda assumido esse papel, a sua colaboração envolve o uso de aeronaves C-295 com equipamentos específicos - como sensores de infra-vermelhos - em operações de vigilância e deteção a longas distâncias para permitir um ataque mais rápido e preciso na fase inicial dos incêndios.

Note-se que o Exército colabora há anos em ações de proteção da floresta contra os incêndios no âmbito do chamado Plano Lira, o qual abrange o rescaldo, a vigilância ativa e o apoio logístico aos bombeiros e serviços florestais ou outros com responsabilidades de Proteção Civil.

Esse Plano Lira inclui cinco níveis de alerta - verde, azul, amarelo, laranja e vermelho - e que correspondem à avaliação da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.