Ex-ministro de Passos coloca a Rio três desafios

Miguel Poiares Maduro diz que, após ver a liderança consolidada, Rui Rio tem de "clarificar perante o país o seu projeto político". E lança-lhe três desafios.

Miguel Poiares Maduro escreve no Jornal de Notícias que o líder do PSD, ultrapassada a crise interna, tem de começar a concentrar-se em dar a conhecer ao país o que defende.

O antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do governo de Pedro Passos Coelho, destaca três desafios que Rui rio enfrenta. Primeiro, o de demonstrar que "Portugal atrasou-se". Ou seja, que "nestes últimos anos fomos ultrapassados por outros países europeus na riqueza que produzimos e no poder de compra dos portugueses" e que "as nossas contas externas estão a regressar a um desequilíbrio perigoso".

Rio deve, diz Poiares Maduro, assumir uma proposta política diferenciadora, que nos permita ultrapassar os outros em vez de sermos ultrapassados". Poiares Maduro considera que as proposta do Conselho de Estratégia Nacional têm de ser encaixadas "numa visão política global para o país".

A postura em relação ao PS é outro dos desafios lançados pelo antigo ministro. Uma eventual aproximação política aos socialistas seria mau para o PSD e para o país porque "conduziria a uma mexicanização e reduziria as alternativas políticas ao radicalismo". Miguel Poiares Maduro defende que Rio pode esclarecer esta questão e que "não pode ficar refém dos compromissos que não sejam assentes em princípios mas apenas em oportunismo". O líder, reforça, "deve usar o capital político que ganhou com esta disponibilidade para expor esse oportunismo".

No último desafio, o antigo ministro afirma que mais do que tentar recuperar o eleitorado tradicional que se perdeu, o PSD deve apostar em conquistar "a enorme parcela de eleitorado que não vota", e entre este os jovens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.