Ex-ministro de Passos coloca a Rio três desafios

Miguel Poiares Maduro diz que, após ver a liderança consolidada, Rui Rio tem de "clarificar perante o país o seu projeto político". E lança-lhe três desafios.

Miguel Poiares Maduro escreve no Jornal de Notícias que o líder do PSD, ultrapassada a crise interna, tem de começar a concentrar-se em dar a conhecer ao país o que defende.

O antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do governo de Pedro Passos Coelho, destaca três desafios que Rui rio enfrenta. Primeiro, o de demonstrar que "Portugal atrasou-se". Ou seja, que "nestes últimos anos fomos ultrapassados por outros países europeus na riqueza que produzimos e no poder de compra dos portugueses" e que "as nossas contas externas estão a regressar a um desequilíbrio perigoso".

Rio deve, diz Poiares Maduro, assumir uma proposta política diferenciadora, que nos permita ultrapassar os outros em vez de sermos ultrapassados". Poiares Maduro considera que as proposta do Conselho de Estratégia Nacional têm de ser encaixadas "numa visão política global para o país".

A postura em relação ao PS é outro dos desafios lançados pelo antigo ministro. Uma eventual aproximação política aos socialistas seria mau para o PSD e para o país porque "conduziria a uma mexicanização e reduziria as alternativas políticas ao radicalismo". Miguel Poiares Maduro defende que Rio pode esclarecer esta questão e que "não pode ficar refém dos compromissos que não sejam assentes em princípios mas apenas em oportunismo". O líder, reforça, "deve usar o capital político que ganhou com esta disponibilidade para expor esse oportunismo".

No último desafio, o antigo ministro afirma que mais do que tentar recuperar o eleitorado tradicional que se perdeu, o PSD deve apostar em conquistar "a enorme parcela de eleitorado que não vota", e entre este os jovens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.