PSD com lista paritária com José Manuel Fernandes, Graça Carvalho e Álvaro Amaro

O PSD vai apresentar às próximas europeias uma lista paritária, que integra como número três o atual eurodeputado José Manuel Fernandes, a ex-ministra Graça Carvalho em quarto e o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, em quinto. Açores não está representado.

De acordo com a proposta da Comissão Política Nacional ao Conselho Nacional - que será votada a partir das 21:00 -, anunciada pelo presidente do PSD, Rui Rio, a eurodeputada Cláudia Aguiar, indicada pela Madeira, será a sexta candidata do PSD ao Parlamento Europeu, seguida, no sétimo lugar -- já considerado de eleição incerta - pelo atual eurodeputado Carlos Coelho.

Tal como anunciado, os Açores não indicaram qualquer nome para a lista do PSD, depois de lhes ter sido atribuído pela direção nacional o oitavo lugar.

De acordo com Rui Rio, no total, a lista de 21 efetivos e oito suplentes integrará 15 mulheres e 14 homens.

"Pela primeira vez, uma lista ao Parlamento Europeu terá mais mulheres que homens", destacou, em declarações aos jornalistas, no final da Comissão Política, que decorreu em Coimbra.

Paulo Rangel já tinha sido anunciado no início de fevereiro como cabeça de lista do PSD às europeias de 26 de maio, lugar que já ocupou em 2009 e 2014, e, na segunda-feira, Rui Rio indicou que a número dois seria Lídia Pereira, presidente da juventude do Partido Popular Europeu.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.