Estocada no projeto para acabar com touradas: chumbo garantido

PS e PSD deram orientação aos seus deputados para votar contra abolição de espetáculos proposta pelo PAN. Só BE vota a favor

O projeto de acabar com as touradas em Portugal, como defende o PAN, vai ser chumbado nesta sexta-feira no Parlamento. Apesar de André Silva, deputado único do partido Pessoas-Animais-Natureza, esperar que nas bancadas do PS e do PSD a liberdade de voto levasse a sua proposta a passar, socialistas e sociais-democratas deram orientação clara aos seus deputados: votar contra.

No caso do PSD, como não se trata de matéria de consciência, nem sequer haverá liberdade de voto, apurou o DN. Já no PS - que dá liberdade de voto em quase todas as matérias, exceto no Orçamento do Estado e em moções de censura - foi tomada uma posição oficial contra o projeto do PAN de abolir as corridas de touros em Portugal.

À esquerda, o PCP também vota contra e, à direita, o CDS faz o mesmo, deixando apenas o BE a votar com André Silva, apesar de a deputada Maria Manuel Rola ter confessado ao DN que a abordagem devia "ser mais pragmática". Os bloquistas têm dois projetos de lei menos radicais do que os do PAN, apontando antes à proibição de financiamento público das touradas e obrigando à sua transmissão na televisão apenas em horas tardias e com bolinha vermelha.

Os projetos bloquistas só serão discutidos na próxima sessão legislativa, depois de o PAN ter recusado a sua discussão conjunta para esta sexta-feira, por não serem conexos com a proposta agendada.

Num projeto de lei de 24 páginas de exposição de motivos, André Silva apresenta argumentos históricos, estatísticos e sociais para defender o fim destes espetáculos, despachando a lei em dois únicos artigos que determinam "a abolição de corridas de touros em Portugal", sem abrir a porta a qualquer exceção.

Para o PAN, o direito ao entretenimento não deve nem pode prevalecer sobre o respeito pela liberdade, pela vida e pela integridade física e psicológica dos animais, mesmo que apoiado por "uma herança cultural", e a valorização da cultura passa por ser capaz de "medir a aceitação e recetividade" por essa sociedade das suas manifestações culturais.

Neste ponto, André Silva argumenta que estas práticas não constituem uma marca de identidade nacional. Se assim fosse, diz, estava a defender-se que uma minoria da população, aquela a que assiste às corridas, seria considerada mais "portuguesa" do que a "grande maioria", que, segundo o deputado ecologista, não se revê neste tipo de espetáculos.

Recordando que as touradas foram sendo banidas praticamente de todos os países e que se realizam em apenas oito, o PAN acrescenta que em Portugal só em "44 municípios" se realizaram atividades taurinas, atingindo "mínimos históricos" de espectadores, perdendo "mais de 53% do seu público".

A votação de hoje dá a estocada final na proposta de André Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.