"É uma pasta que diz respeito ao dia a dia dos portugueses"

António Costa congratula-se com a atribuição da pasta da Coesão e Reformas à comissária portuguesa Elisa Ferreira.

O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que a pasta da Coesão e Reformas atribuída à comissária europeia Elisa Ferreira tem impacto no "dia a dia dos portugueses e honra" Portugal.

Esse pelouro "permitirá a Elisa Ferreira e a Portugal trabalhar em áreas estratégicas para o país", sublinhou António Costa aos jornalistas, momentos após o anúncio dos pelouros atribuídos aos novos comissários europeus.

Felicitando a presidente da Comissão, a alemã Ursula von der Leyen, pela forma como distribuiu as pastas no colégio de comissários, António Costa considerou "muito relativo" falar-se sobre o grau de importância do pelouro agora atribuído a Elisa Ferreira - dado que Portugal já teve a presidência da Comissão durante dois mandatos e ocupou a "excelente pasta" da Ciência com o anterior comissário português, Carlos Moedas.

"Temos boas razões para estar satisfeitos com esta pasta", reconheceu o chefe do Governo português, admitindo que "também poderia" ser bem exercida pelo ex-ministro e eurodeputado Pedro Marques (cabeça de lista do PS nas europeias).

O importante foi Portugal ter trabalhado "de forma construtiva no objetivo" assumido por Ursula von der Leyen de ter uma "comissão paritária", realçou António Costa, à margem de uma visita às obras de um edifício cedido à Câmara Municipal de Lisboa para promover habitação de rendas acessíveis.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.