Dirigentes do CDS pressionam governo nas bombas de gasolina

Assunção Cristas, Nuno Melo e Pedro Mota Soares vão estar no sábado espalhados por várias bombas a pressionar uma vez mais para a revogação da taxa sobre os combustíveis (ISP).

Dirigentes nacionais e distritais vão entregar folhetos aos condutores - CDS combustíveis +baratos - para insistir na ideia de que o partido já conseguiu fazer passar na generalidade, após cinco tentativas, e com o voto favorável do PSD, o projeto de eliminação do ISP.

A líder do CDS estará numa bomba em São Domingos de Rana, Cascais, o eurodeputado Nuno Melo em Vilamoura, Algarve, e os deputados Pedro Mota Soares e Cecília Meireles no Porto. Os dirigentes distritais vão andar pelos postos de combustíveis por todo o país.

O projeto do CDS gerou polémica nas hostes sociais-democratas, entre o grupo parlamentar e a direção nacional. Rui Rio desautorizou os deputados da sua bancada por entender que não deveriam ter dado o voto favorável a um projeto que poderá implicar perda de receita para o Estado. O CDS contesta esta ideia. "Sabemos que neste momento a receita prevista no Orçamento do Estado para os combustíveis é inferior às receitas que o Estado está a conseguir", garante ao DN, Pedro Mota Soares. O mais provável, no entanto, é que o projeto venha a sofrer alterações e que o ISP não seja total ou parcialmente eliminado, apesar do PCP e BE terem dado luz verde a esta reivindicação centrista.

"Hoje a fatura dos combustíveis está a pesar brutalmente no bolso dos portugueses. O nosso projeto é uma ajuda ao orçamento das famílias e das empresas", frisa antigo ministro da Segurança Social do governo Passos/Portas. Pedro Mota Soares lembra que o ISP foi criado em 2016 pelo governo socialista para que o Estado não perdesse receita fiscal de IVA num momento em que o petróleo descia de preço. Mas, reforça, "a prática tem correspondido a um verdadeiro saque fiscal" e que a "apregoada neutralidade fiscal não passou de um logro do governo". Em 2016 o preço do barril de petróleo estava a 55 dólares; agora está a 73 dólares e arrecadação de IVA é muito superior ao previsto, defende o deputado centrista.

O CDS dá exemplos do peso dos combustíveis no bolso dos cidadãos. Segundo as contas do partido, quem encher um depósito de combustível por semana gasta mais por ano 967 euros em gasóleo e mais de 655 euros em gasolina, do que em 2016. E há também a extrapolação por família: uma que abasteça o carro com 80 euros de gasolina, está a pagar 34 euros de combustível e 54 euros aos cofres do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.