Deputadas portuguesas aderem a protesto contra Bolsonaro

Deputadas portuguesas juntaram-se a protesto de mulheres contra o candidato do PSL com o hashtag #EleNão

O hashtag #EleNão arrisca-se a ser uma espécie de #MeToo no Brasil contra Jair Bolsonaro. Para dia 29, está previsto um protesto de mulheres brasileiras em pelo menos quatro dezenas de cidades do país contra o candidato do Partido Social Liberal (PSL).

As deputadas portuguesas não quiseram deixar de se associar ao protesto e esta quarta-feira, após o debate quinzenal, juntaram-se para uma fotografia com cartazes alusivos à campanha contra Jair Bolsonaro mas também em memória de Marielle Franco, a vereadora do PSOL no Rio de Janeiro e ativista dos direitos humanos assassinada com quatro tiros na cabeça há seis meses.

Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, partilhou na sua conta de Twitter, uma fotografia do grupo de deputadas. Catarina Martins, Mariana Mortágua (também do Bloco), Heloísa Apolónia (do PEV), Margarida Marques, Edite Estrela, Sónia Fertuzinhos e Isabel Moreira (do PS) são algumas das deputadas que surgem com cartazes na mão.

As eleitas portuguesas não quiseram deixar de assinalar também a passagem por Portugal de Mônica Tereza Azeredo Benício, a viúva de Marielle Franco, que participou inclusivamente, no passado fim de semana, no Festiva Iminente. Nele foi inaugurado um mural criado pelo artista português Vihls, a convite da Amnistia Internacional, em homenagem à vereadora assassinada.

Recorde-se que Jair Bolsonaro, esfaqueado no início do mês, submetido a cirurgia mas já com alta hospitalar, tem defendido ideias próximas da extrema-direita, proferindo declarações consideradas racistas, machistas, misóginas. Por isso, o Movimento Mulheres contra Bolsonaro não para de aumentar. Apesar disso, o candidato do PSL continua em primeiro nas sondagens, para a primeira volta das eleições presidenciais no Brasil. Esta acontece já no próximo fim de semana 7 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.