De Coimbra para o mundo: aos 17 anos, Filipa Maia é o rosto dos jovens na OCDE

A jovem da Escola Secundária D. Duarte, em Coimbra, é, desde o final de junho, a líder da Students Agency, da OCDE. Pretende alertar os líderes governamentais para os problemas que mais assombram os estudantes.

"Todos os estudantes têm uma voz." É esta a ideia crucial que move Filipa Maia e que a levará, em outubro e como líder global dos estudantes, a uma reunião com os líderes da OCDE.

Tudo começou em março, quando o projeto ComParte - desenhado para promover o envolvimento cívico e ser uma ponte entre governo e estudantes - visitou a sua escola secundária. "Os coordenadores gostaram de me ouvir discursar e convidaram-me a participar no projeto." Com o ComParte dividido em duas áreas, educação e a integração, Filipa voltou-se para a primeira, pela maior envolvência no tema. Começou a participar em conferências pelo país, a dar o seu testemunho, mas também a ouvir os dos outros. Em maio foi, a convite do secretário de Estado da Educação, João Costa, a Paris com outros sete estudantes. E tudo se precipitou até ao fim de junho - "pediram para me candidatar, aceitei e fui eleita entre cerca de 15 candidatos". Agora, em preparação da reunião do final do ano, reúne-se semanalmente com a sua mesa de apoio, através da internet, constituída por um estudante mexicano, uma dinamarquesa, um chinês e uma australiana, onde discutem propostas a apresentar.

Defendendo a importância de cultivar desde a infância a capacidade de os jovens se expressarem, Filipa Maia conta ao DN que, apesar de estarem presentes alunos de vários países, ainda há questões de representação a tratar: "É necessário integrar mais estudantes, de mais países." Sobre integração, sublinha a necessidade de prestar apoio aos estudantes para que se sintam integrados, tanto em contexto social como escolar. Por isso, a saúde mental tem sido um dos pontos-chave do seu discurso, entendendo que ainda não é dada a devida relevância a este problema. "A saúde mental tem de estar mais conectada à educação, o que ainda é raro", diz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.