De Coimbra para o mundo: aos 17 anos, Filipa Maia é o rosto dos jovens na OCDE

A jovem da Escola Secundária D. Duarte, em Coimbra, é, desde o final de junho, a líder da Students Agency, da OCDE. Pretende alertar os líderes governamentais para os problemas que mais assombram os estudantes.

"Todos os estudantes têm uma voz." É esta a ideia crucial que move Filipa Maia e que a levará, em outubro e como líder global dos estudantes, a uma reunião com os líderes da OCDE.

Tudo começou em março, quando o projeto ComParte - desenhado para promover o envolvimento cívico e ser uma ponte entre governo e estudantes - visitou a sua escola secundária. "Os coordenadores gostaram de me ouvir discursar e convidaram-me a participar no projeto." Com o ComParte dividido em duas áreas, educação e a integração, Filipa voltou-se para a primeira, pela maior envolvência no tema. Começou a participar em conferências pelo país, a dar o seu testemunho, mas também a ouvir os dos outros. Em maio foi, a convite do secretário de Estado da Educação, João Costa, a Paris com outros sete estudantes. E tudo se precipitou até ao fim de junho - "pediram para me candidatar, aceitei e fui eleita entre cerca de 15 candidatos". Agora, em preparação da reunião do final do ano, reúne-se semanalmente com a sua mesa de apoio, através da internet, constituída por um estudante mexicano, uma dinamarquesa, um chinês e uma australiana, onde discutem propostas a apresentar.

Defendendo a importância de cultivar desde a infância a capacidade de os jovens se expressarem, Filipa Maia conta ao DN que, apesar de estarem presentes alunos de vários países, ainda há questões de representação a tratar: "É necessário integrar mais estudantes, de mais países." Sobre integração, sublinha a necessidade de prestar apoio aos estudantes para que se sintam integrados, tanto em contexto social como escolar. Por isso, a saúde mental tem sido um dos pontos-chave do seu discurso, entendendo que ainda não é dada a devida relevância a este problema. "A saúde mental tem de estar mais conectada à educação, o que ainda é raro", diz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.