Costa supera-se, BE agiganta-se, CDU desaba e PAN consolida

Mapa do país fica quase inteiramente rosa - PS só perde em Vila Real e na Madeira e cava fosso de mais de dez por cento para o PSD. Bloquistas mais do que duplicaram número de votos. CDU perdeu quase metade. Abstenção com resultados paradoxais.

Pelas 23h00 de ontem, com 98,87% das freguesias e consulados apurados, os resultados oficiais mostravam que a soma do PS+BE+CDU estava à beirinha dos 50%: 49,92%. E se a estes somássemos o PAN - que garantidamente terá um eurodeputado eleito, tendo as projeções iniciais apontado a possibilidade de um segundo, consolidando portanto o resultado das últimas legislativas - essa soma ficaria muito acima dos 50%, passando para 54,91%.

O PS de António Costa ultrapassava em dois pontos percentuais a vitória "poucochinha" do PS de Seguro em 2014, passando de 31,61% para 33,51% (resultados pelas 23h00, em ambos os casos). O mapa do país fica quase que completamente rosa: os socialistas só não são a maior força na Madeira e em Vila Real (o PSD vence). Ao final da noite, respondendo a jornalistas, António Costa diria que não há razões para nas próximas legislativas não renovar a aliança de esquerda: "Não há razões para alterar aquilo que tem produzido bons resultados."

À esquerda, porém, a grande vitória seria do Bloco de Esquerda. A lista liderada por Marisa Matias ia em 9,72% - duplicando de um para dois o número de eleitos e também duplicando a percentagem de 2014 (4,49%). Durante a noite toda, os bloquistas, pelas vozes de Jorge Costa, Marisa Matias e Catarina Martins, sublinharam o facto de o partido ter passado a terceira maior força portuguesa no Parlamento Europeu. Ou, dito de outra forma: sublinharam que o BE é agora maior do que a CDU em Bruxelas - o que significa que a situação na Assembleia da República se transplantou para o panorama europeu.

PCP culpa comunicação social

A CDU recusou falar em derrota mas a verdade é que coligação liderada pelo PCP estava em perda: em 2014, às 23h00, tinha cerca de 385 mil votos, e ontem, à mesma hora, ia em 210 mil. Garantidamente, os comunistas passariam de três eleitos para dois - possivelmente até só um.

João Ferreira foi o primeiro cabeça de lista a falar, e explicou o resultado dizendo que ele resultou do facto de a coligação ter sido vítima de uma "óbvia menorização" da sua ação política. Também falou em "campanhas difamatórias" e disse que o quadro em que a campanha se fez foi "claramente mais difícil" do que o de 2014, quando o país ainda vivia na ressaca da troika (e o PCP beneficiava disso). No Facebook, um ex-deputado do PCP, Miguel Tiago, responsabilizaria a comunicação social pelos resultados: "Da comunicação social esperamos apenas um adversário. Porque também é assim que a comunicação social nos vê a nós. É assim que faz sentido e nem vale a pena lamentarmo-nos. Quando nos inscrevemos nesta luta, já sabíamos as regras do jogo."

Depois, Jerónimo de Sousa admitiria que o resultado eleitoral da CDU foi "particularmente negativo" para os interesses dos trabalhadores, do povo e do país, reconhecendo a quebra do partido face aos três eurodeputados eleitos em 2014. É a segunda derrota eleitoral consecutiva da CDU, depois das autárquicas de 2017, onde os comunistas perderam dez câmaras.

Dentro do partido, tenderão a fazer-se ouvir mais alto as vozes que contestam o alinhamento do PCP na geringonça: "O resultado da CDU não pode ser observado separado de uma intensa e prolongada operação de desvalorização da sua intervenção e do seu trabalho, de campanhas difamatórias, de animação de preconceitos e de uma meticulosa ação para menorizar a campanha e perspectivas eleitorais da CDU que conviveu com a descarada promoção de outras forças políticas. Uma orientação e opção que se compreendem, já que é a CDU, pelo que representa e defende, que o capital monopolista e os sectores mais reacionários temem como obstáculo aos seus projectos de submissão do país e de liquidação dos direitos dos trabalhadores."

RTP faz sondagem para as legislativas

A meio da noite, a RTP divulgaria uma sondagem feita ontem pela Católica com eleitores das europeia. Vitória do PS com 39% - longe portanto da maioria absoluta (resultado que só se alcança com, no mínimo, 43%). Depois, o PSD em segundo, com 25%, o BE em terceiro (9%) e a CDU em quarto (8%). (8%). O CDS/PP atingiria, de acordo com a mesma estimativa, 6% e o PAN chegaria aos 4%. O voto em outras forças políticas, os votos em branco ou nulos, representavam 8% da intenção direta de voto.

Este resultado representa, por um lado, uma clara maioria de esquerda mas ao mesmo tempo também a possibilidade de uma nova 'geringonça' se fazer apenas a dois, ou PS+BE ou PS+CDU. No centro-direita (PSD+CDS) a soma dá 34% - uma descida face a 2015 (36,86%).

À esquerda, é também de referir o desaparecimento de Marinho e Pinto. Há cinco anos, encabeçando uma lista do MPT, o ex-bastonário fora eleito, juntamente com o número dois da lista.

Paradoxos na abstenção

Depois disso, Marinho e Pinto rompeu com o Partido da Terra, criando o PDR (Partido Democrático Republicano). Ontem não só foi eleito como ficou muito longe de o ser. O PDR só tinha três partidos atrás de si (PURP, PTP e MAS), com 15,5 mil votos (0,48%), pelas 00h00 de hoje.

Às 00h53, estavam atribuídos 15 dos 21 mandatos: PS (6), PSD (4), BE (dois), CDU (um), CDS (um) e PAN (um).

À mesma hora, os números da abstenção revelavam-se paradoxais. O número de votantes de facto aumentou (de 3,245 milhões para 3,277 milhões, faltando apurar resultados de mesas e consulados representando cerca de 300 mil eleitores).

Contudo, a abstenção percentual também aumentou: de 66,12% para 68,64%. O paradoxo resulta do facto do número total de eleitores inscritos terem aumentado em um milhão: de 9,7 milhões para 10,7 milhões, por via do recenseamento automático de centenas de milhares de emigrantes portugueses residentes no estrangeiro.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.