Condecorações. Conselho das Ordens analisa esta sexta-feira irradiação de Berardo

ATUALIZADA Face ao clamor público, o Conselho das Ordens Nacionais, presidido por Manuela Ferreira Leite, vai analisar o caso do comendador, depois da prestação deste no Parlamento.

O empresário Joe Berardo poderá estar a caminho de deixar de ser comendador. Segundo o DN confirmou, o Presidente da República não se opõe a que o Conselho das Ordens Nacionais - que "tutela" a Ordem do Infante D. Henriques e a Ordem da Liberdade - analise uma possível retirada ao empresário das condecorações presidenciais de que beneficiou.

O Conselho marcou já para a próxima sexta-feira uma reunião extraordinária para discutir a questão.

Joe Berardo tornou-se comendador da Ordem do Infante D. Henrique em 13 de março de 1985, por decisão do então Presidente da República, Ramalho Eanes. Em 4 de outubro de 2004, sendo Jorge Sampaio o chefe do Estado, é atribuído o Grande Colar da mesma ordem.

A informação disponível regista apenas três casos de condecorações retiradas - todas por via de condenações judiciais transitadas pela prática de crime doloso punido com pena de prisão superior a 3 anos (situação obrigatória por lei): o embaixador Jorge Ritto, o apresentador de TV Carlos Cruz - ambos condenados no processo Casa Pia - e ainda, recentemente, Armando Vara (condenado por tráfico de influências no processo "Face Oculta").

Tendo obtido aquelas duas condecorações, o empresário tornou-se membro das Ordens Honoríficas Portuguesas. E a lei diz que "os membros honorários têm o dever de não prejudicar, de modo algum, os interesses de Portugal" e que "sempre que haja conhecimento da violação de qualquer dos deveres enunciados no artigo anterior, deve ser instaurado processo disciplinar, mediante despacho do Chanceler do respetivo Conselho".

O Conselho das Ordens Nacionais é composto por Manuela Ferreira Leite (chanceler), integrando ainda Isabel Mota (presidente da Gulbenkian), Manuel António Braga da Cruz (professor universitário), António Bagão Félix (ex-ministro das Finanças e da Segurança Social), Elvira Fortunato (cientista), Maria Velho da Costa (escritora) e Carlos Beato (capitão de Abril, ex-presidente de câmara).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.