Conheça os Koala AW119, os novos helicópteros da Força Aérea

Divulgadas as primeiras imagens com a pintura oficial dos Koala AW119, que vão substituir os Alouette III em uso desde a guerra colonial.

A Força Aérea revelou esta quarta-feira as primeiras imagens dos helicópteros Koala AW119 pintados com as cores e a Cruz de Cristo das aeronaves do ramo.

Portugal vai comprar pelo menos cinco Koala, mantendo-se a previsão de chegada até ao fim deste ano dos primeiros dois aparelhos, disse fonte oficial da Força Aérea ao DN.

Os Koala AW119MKII vão substituir os Alouette III da esquadra 552, que estão ao serviço da Força Aérea desde os tempos da guerra colonial em África.

Nos Estados Unidos está o núcleo inicial de pilotos e mecânicos a receber formação e tirar cursos de formadores junto do fabricante dos Koala, a empresa italiana Leonardo, para formarem os restantes elementos das tripulações da esquadra 552 - conhecida como Zangões - após o regresso a Portugal, adiantou o tenente-coronel Manuel Costa.

Com a chegada dos primeiros aparelhos - que virão desarmados - começa a chamada capacidade operacional inicial (IOC, sigla em inglês) dos Koala, na base aérea de Beja.

Os Koala AW119 operam de noite e virão equipados para apoiar as operações de combate aos fogos. Mas, em termos militares, esses helicópteros ligeiros podem cumprir as missões até agora desempenhadas pelos Alouette: instrução básica e avançada de voo, busca e salvamento, evacuação sanitária, patrulhamento e observação.

Capaz de transportar até sete passageiros ou uma maca e cinco passageiros, os Koala podem deslocar ainda 1400 quilos de carga suspensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.