BE exige posição do Governo e da Câmara de Lisboa sobre convite da Web Summit a Le Pen

O BE exigiu esta terça-feira que o Governo e a Câmara de Lisboa tomem posição sobre o convite da Web Summit à líder da extrema-direita francesa considerando inaceitável utilizar dinheiros públicos para passar mensagens de xenofobia e racismo.

Em declarações aos jornalistas na sede nacional do BE, em Lisboa, a deputada e dirigente bloquista Isabel Pires criticou o convite feito à líder do partido francês União Nacional para participar na Web Summit, evento que decorrerá na capital portuguesa em novembro, considerando inaceitável que Marine Le Pen seja oradora na iniciativa.

"Neste momento tem de haver uma tomada de posição e tem de ficar esclarecido qual é que é a posição do Governo e da Câmara de Lisboa sobre este convite", exigiu.

Para Isabel Pires, a manter-se este convite, "não é aceitável que dinheiros públicos possam ser utilizados para, na verdade, ajudar Marine Le Pen a ter mais uma plataforma para passar mensagens de xenofobia e de racismo, como é a sua linha política".

"É um evento que tem um investimento público, há um contrato que foi feito em que estão investidos 3,9 milhões de euros durante estes três anos, divididos ao longo dos mesmos", justificou.

A dirigente do BE recordou que "durante a última campanha presidencial francesa, e já depois disso, as declarações de Marine Le Pen são declarações que incitam ao ódio, à xenofobia e ao racismo".

"E, portanto, não consideramos que seja aceitável a presença desta líder da extrema-direita francesa num evento em Portugal e, mais estranho, é que não exista qualquer declaração por parte do Governo, por parte da Câmara de Lisboa - que também está envolvida na organização deste evento - sobre a presença de Le Pen", condenou.

Questionada se impedir Le Pen de participar neste evento é limitar a liberdade de expressão, Isabel Pires rejeitou a crítica.

"A Constituição portuguesa é muito clara no que toca a organizações de cariz fascista. Quando se passam mensagens de ódio, não é aceitável que se possam dar plataformas que chegam a milhões de pessoas para fazer passar ainda mais estas mensagens", justificou.

Sobre o facto de a responsabilidade dos convites ser da organização da Web Summit, a deputada do BE concordou, mas insistiu que este evento "existe também porque existe um apoio público".

"Havendo estes apoios tem de haver também aqui um diálogo político sobre as escolhas que são feitas", concretizou.

No site do evento, o nome de Marine Le Pen está hoje entre os oradores convidados da edição deste ano, surgindo um pequeno texto identificando o cargo, formação e os últimos resultados eleitorais da líder do partido francês.

O nome de Marine Le Pen voltou assim a aparecer como oradora no evento, após ter sido inicialmente retirado do site oficial, ainda sem qualquer explicação por parte da organização.

Já na segunda-feira, a associação SOS Racismo exigiu que as entidades envolvidas na organização da Web Summit assumam uma posição pública sobre este convite, defendendo que Marine Le Pen seja desconvidada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.