Casas do Estado alugadas a turistas: ministro quer respostas urgentes

Ministério da Defesa "divulgará de imediato" informações pedidas ao Instituto de Ação Social das Forças Armadas sobre o caso das habitações do Estado que militares estarão a subalugar a turistas.

O Ministério da Defesa requereu ao Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) que responda com "a máxima urgência" às questões sobre "eventuais utilizações irregulares de casas arrendadas" por essa instituição.

A informação foi dada esta terça-feira pelo gabinete do ministro Azeredo Lopes, através de um esclarecimento à notícia publicada segunda-feira pelo DN sobre a existência de uma queixa - apresentada por três inquilinos de um prédio do IASFA em Lisboa - sobre a presença frequente de turistas estrangeiros num dos apartamentos.

"O Ministério da Defesa enviou ao Conselho Diretivo do IASFA as questões recebidas" de vários órgãos de imprensa, "solicitando que as mesmas, pela gravidade do questionado, fossem respondidas com a máxima urgência", indica a nota do gabinete de Azeredo Lopes.

O Ministério "divulgará de imediato os esclarecimentos que venham a ser prestados" pelo IASFA.

Conhecer a dimensão e qual o uso dado ao património habitacional do IASFA tem sido um assunto recorrente que há anos acompanha o debate sobre o seu futuro, face ao buraco financeiro que foi crescendo ao longo do tempo e estará na casa dos 60 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.