António Vitorino eleito diretor-geral da Organização das Migrações

O candidato português derrotou a candidata da Costa Rica e que é vice-diretora-geral, Laura Thompson.

O português António Vitorino foi eleito diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM).

António Vitorino foi eleito por aclamação para um mandato de cinco anos, derrotando na quarta ronda a costa-riquenha Laura Thompson, vice-diretora-geral da OIM.

Na terceira ronda foi afastado o terceiro candidato, Ken Isaacs (EUA), interrompendo a eleição sucessiva de um norte-americano para aquele cargo no último meio século.

A eleição de António Vitorino ocorre ano e meio após a posse do também português António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas.

"A eleição de António Vitorino aumenta a nossa visibilidade internacional" e, numa altura em que "nunca se falou tanto de migrações como agora", o novo diretor-geral da OIM "pode dar um contributo muito importante para a resolução desse problema", afirmou ao DN o embaixador Martins da Cruz, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros.

António Vitorino deverá tomar posse no próximo dia 01 de outubro, quando terminam os cinco anos do segundo mandato do atual diretor-geral da OIM, William Lacy Swing.

Esta escolha representa uma nova derrota diplomática para a Administração Trump, que candidatou uma figura conhecida por ter escrito comentários anti-muçulmanos nas redes sociais (que apagou e pelos quais pediu desculpa).

Fica por saber qual a reação dos EUA, que contribuem com cerca de metade do orçamento da OIM e que há dias se retiraram da Comissão dos Direitos Humanos da ONU.

Note-se que esta eleição ocorreu em plena polémica sobre a política anti-imigração de Donald Trump, que suscitou a condenação global e acabou por obrigar o presidente norte-americano a aprovar uma ordem executiva para proibir as autoridades de retirarem as crianças aos pais que tentam entrar ilegalmente nos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.