António Costa vai a Angola em setembro

Augusto Santos Silva anunciou os dias da visita de Estado do primeiro-ministro: 17 e 18 de setembro. Datas foram fechadas quando o ministro das Relações Exteriores de Angola visitou Portugal

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, confirmou esta quarta-feira em Bruxelas, à margem da cimeira da NATO, que o primeiro-ministro vai visitar Angola a 17 e 18 de setembro. O anúncio da visita de Estado de António Costa segue-se ao desanuviar das relações entre os dois países, depois do envio para Angola do processo de Manuel Vicente, ex-vice-presidente do país.

Uma outra fonte do executivo adiantou que as datas da deslocação do chefe do Governo português a Angola ficaram fechadas na segunda-feira passada, por ocasião da visita a Lisboa do ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Domingos Augusto. Na segunda-feira, após ter estado reunido com Manuel Domingos Augusto, o primeiro-ministro considerou que as relações diplomáticas entre Portugal e Angola atravessam agora "um momento auspicioso" com as autoridades dos dois países a retomarem as visitas oficiais de alto nível.

A minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal e Angola, os nossos povos e empresas

"Recebi o ministro das Relações Exteriores de Angola num momento auspicioso para o relacionamento entre os nossos países com o retomar das visitas de alto nível. A minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal e Angola, os nossos povos e empresas", escreveu o primeiro-ministro na rede social "Twitter".

No início dessa mesma reunião, António Costa recebeu do ministro das Relações Exteriores de Angola uma carta do presidente angolano, João Lourenço, que disse traduzir "um sinal das boas relações" entre os dois países.

Aproveitando a presença da comunicação social para a recolha de imagens no início da reunião, o ministro das Reações Exteriores de Angola anunciou que era portador de uma carta do chefe de Estado angolano, João Lourenço, destinada ao primeiro-ministro português. António Costa recebeu o envelope fechado, em formato A4, tendo Manuel Domingos Augusto adiantado logo uma explicação para este ato diplomático: "É um sinal das boas relações" entre os dois países, disse.

Recorde-se que em maio, o Tribunal da Relação de Lisboa decidiu transferir para Angola o processo que envolve o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, no âmbito do processo Operação Fizz. Na altura, António Costa mostrou-se satisfeito com a decisão e afirmou mesmo que tinha desaparecido "o único 'irritante' que existia nas relações entre Portugal e Angola".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.