António Costa vai a Angola em setembro

Augusto Santos Silva anunciou os dias da visita de Estado do primeiro-ministro: 17 e 18 de setembro. Datas foram fechadas quando o ministro das Relações Exteriores de Angola visitou Portugal

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, confirmou esta quarta-feira em Bruxelas, à margem da cimeira da NATO, que o primeiro-ministro vai visitar Angola a 17 e 18 de setembro. O anúncio da visita de Estado de António Costa segue-se ao desanuviar das relações entre os dois países, depois do envio para Angola do processo de Manuel Vicente, ex-vice-presidente do país.

Uma outra fonte do executivo adiantou que as datas da deslocação do chefe do Governo português a Angola ficaram fechadas na segunda-feira passada, por ocasião da visita a Lisboa do ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Domingos Augusto. Na segunda-feira, após ter estado reunido com Manuel Domingos Augusto, o primeiro-ministro considerou que as relações diplomáticas entre Portugal e Angola atravessam agora "um momento auspicioso" com as autoridades dos dois países a retomarem as visitas oficiais de alto nível.

A minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal e Angola, os nossos povos e empresas

"Recebi o ministro das Relações Exteriores de Angola num momento auspicioso para o relacionamento entre os nossos países com o retomar das visitas de alto nível. A minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal e Angola, os nossos povos e empresas", escreveu o primeiro-ministro na rede social "Twitter".

No início dessa mesma reunião, António Costa recebeu do ministro das Relações Exteriores de Angola uma carta do presidente angolano, João Lourenço, que disse traduzir "um sinal das boas relações" entre os dois países.

Aproveitando a presença da comunicação social para a recolha de imagens no início da reunião, o ministro das Reações Exteriores de Angola anunciou que era portador de uma carta do chefe de Estado angolano, João Lourenço, destinada ao primeiro-ministro português. António Costa recebeu o envelope fechado, em formato A4, tendo Manuel Domingos Augusto adiantado logo uma explicação para este ato diplomático: "É um sinal das boas relações" entre os dois países, disse.

Recorde-se que em maio, o Tribunal da Relação de Lisboa decidiu transferir para Angola o processo que envolve o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, no âmbito do processo Operação Fizz. Na altura, António Costa mostrou-se satisfeito com a decisão e afirmou mesmo que tinha desaparecido "o único 'irritante' que existia nas relações entre Portugal e Angola".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.