"Inaceitável, uma pouca vergonha". Rui Rio critica ações de rua da CGTP no 1.º de Maio

Presidente do PSD diz que "para o Governo a geringonça goza de estatuto especial".

"Milhares de pessoas da CGTP e do PCP na rua a festejarem o 1.º de Maio em pleno Estado de Emergência é inaceitável, mas trazê-las de camioneta, quando hoje é proibido circular entre concelhos, é uma pouca vergonha. Para o Governo, a geringonça goza de estatuto especial. Assim não!", escreveu Rui Rio no Twitter.

As críticas à celebração do Dia do Trabalhador por parte da central sindical tiveram resposta do secretário-geral do Partido Comunista. Jerónimo de Sousa lembrou que nem a ditadura conseguiu impedir a comemoração. "Para quem comemorou há 50 anos, no Rossio, com perseguição, com prisão e nunca desistiu de fazer o 1.º de Maio... "

Antes, o líder do Partido Social Democrata endereçara uma mensagem de vídeo sobre o Dia do Trabalhador, também no Twitter, mas através da conta do PSD.

"Este ano o 1.º de Maio vai ter de ser celebrado de uma forma diferente, não vai ser celebrado em conjunto, não vai haver manifestações. Mas não é por isso que nós devemos deixar de relembrar o Dia do Trabalhador e dos seus direitos, principalmente num ano em que a qualidade de vida dos trabalhadores está ameaçada", disse.

Segundo Rui Rio, "os rendimentos dos trabalhadores estão ameaçados" por força da situação que o país atravessa em resultado da pandemia de covid-19, pelo que apelou para a consciencialização dos "valores que o 1.º de Maio representa".

"Quando formos fazer o relançamento da economia, que é penoso e que trará problemas de ordem social, temos de estar conscientes de que devemos estar ao lado daqueles que têm mais baixos salários, ou, em alguns casos, estão com subsídio de desemprego. Face àquilo que vai acontecer, temos de estar unidos e atuantes para minorar esse período que se deseja relativamente curto", defendeu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG