Gomes Cravinho recebeu candidatos à chefia da Força Aérea

Ministro da Defesa iniciou processo de audição dos tenentes-generais para escolher o sucessor do general Manuel Rolo.

Cinco dos seis tenentes-generais da Força Aérea foram recebidos esta segunda-feira pelo ministro da Defesa, a quem cabe escolher o nome a propor ao Presidente da República para chefe do Estado-Maior do ramo (CEMFA), soube o DN.

O Ministério da Defesa escusou-se a confirmar ou desmentir a informação, como já tinha feito no dia (sexta-feira) em que João Gomes Cravinho recebeu o general Manuel Rolo para lhe dizer que não seria reconduzido como CEMFA dentro de um mês - decisão recebida com grande surpresa dentro e fora do ramo, segundo as fontes ouvidas pelo DN.

Segundo as fontes do DN, o ministro não recebeu o tenente-general Amândio Miranda, atual comandante operacional dos Açores - apesar de o militar estar em Lisboa, assegurou uma dessas fontes ouvidas sob anonimato por não estarem autorizadas a falar.

Amândio Miranda é o mais antigo dos seis oficiais generais de três estrelas e parece assim estar excluído do processo - o que, a confirmar-se, deixa em aberto a possibilidade de passar à reserva por ser ultrapassado.

Os tenentes-generais pilotos-aviadores ouvidos por Gomes Cravinho, adiantaram as fontes, foram o vice-CEMFA, Sílvio Sampaio (do mesmo curso de Amândio Miranda); o adjunto do chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), Joaquim Almeida; o comandante aéreo, Joaquim Borrego: o comandante logístico, José da Mata; Rafael Martins comandante de Pessoal.

Um aspeto que poderá ser importante na escolha do novo CEMFA envolve a sucessão do CEMGFA, almirante Silva Ribeiro, tendo em conta a habitual rotatividade entre os ramos na nomeação para aquele cargo, admitiram algumas das fontes.

Exclusivos