Fragata portuguesa no mais exigente teste naval do mundo

Exercício de cinco semanas em Inglaterra envolve cenários operacionais muito exigentes para certificar capacidade de combate naval.

Defesa contra ataques terroristas é um dos cenários de grande complexidade que vão testar, a partir desta quinta-feira, as capacidades da fragata portuguesa D. Francisco de Almeida e da sua guarnição nos mares de Inglaterra.

O chamado Treino Operacional Naval (OST, sigla em inglês) é organizado anualmente pela "mais exigente escola de fragatas do mundo" - onde um navio português, então comandante pelo agora chefe do Estado-Maior da Marinha, almirante Mendes Calado, foi até agora o único a alcançar a classificação de Bom, lembrou ao DN o porta-voz do ramo, comandante Pereira da Fonseca.

Este exercício de aprontamento reúne as principais marinhas de guerra, nomeadamente europeias, e visa levar ao limite a capacidade combatente dos navios e das respetivas guarnições face aos mais exigentes cenários de emprego operacional.

A guarnição da D. Francisco de Almeida, que fará escala em Londres para os militares poderem votar antecipadamente nas eleições europeias, completará depois o seu ciclo de aprontamento para integrar a força naval permanente da NATO a partir de 01 de agosto e durante três meses, adiantou Pereira da Fonseca.

"Muito satisfatório" tem sido a nota máxima que a generalidade das fragatas consegue obter junto dos avaliadores da Marinha inglesa e as dá como preparadas para participar nas mais duras operações navais de combate.

Exclusivos