Fogo de Proença-a-Nova pode ter origem de "natureza criminal"

Ministro da Administração Interna assumiu que o fogo que destruiu mais de 20 mil hectares de floresta poderá "ter começado por causa dolosa de natureza criminosa".

O incêndio que começou no domingo em Proença-a-Nova e foi esta quarta-feira dado como dominado pode ter tido origem de "natureza criminal", disse o ministro da Administração Interna (MAI).

Eduardo Cabrita falava aos jornalistas em Sobreira Formosa, Proença-a-Nova, depois de este incêndio, que se alastrou aos concelhos de Oleiros e Castelo Branco, ter sido dado como dominado hoje de manhã.

De acordo com o governante, o incêndio poderá "ter começado por causa dolosa de natureza criminosa".

Esta indicação preliminar foi dada ao ministro pela GNR, que está a investigar as causas do incêndio em conjunto com a PJ.

O incêndio foi dado como dominado hoje por volta das 09:00, afirmou à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

No terreno, mantinham-se, às 09:30, 920 operacionais, apoiados por 304 veículos e dois meios aéreos, de acordo com a página da Proteção Civil.

Na terça-feira, a Proteção Civil afirmou que o incêndio estava com cerca de 90% do perímetro dominado, numa linha com mais de 60 quilómetros de extensão.

Só no concelho de Oleiros, a Câmara Municipal estima que terão ardido cerca de 20 mil hectares de floresta.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG