Ferro: "Alguns (poucos) deputados põem em causa o prestígio do Parlamento"

Presidente da Assembleia da República quer distinguir simples ligação do computador do registo das presenças. E pede "máxima urgência" a alterações nas viagens dos deputados

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, defendeu esta quarta-feira, numa reunião extraordinária da Conferência de Líderes Parlamentares, que é "indispensável distinguir a simples ligação do computador do registo das presenças", depois de terem sido confirmados quatro casos de deputados que registaram presença sem estarem nos plenários.

Recusando o papel de "polícia dos deputados", o presidente da Assembleia da República notou, numa declaração feita aos líderes parlamentares, e distribuída aos jornalistas, que "sempre defendeu" os deputados, "mas quando alguns (poucos) deputados põem em causa o prestígio do Parlamento, estão a pôr em causa o prestígio da democracia representativa", notando que não pactua com isso. "O que se exige é mais responsabilidade e responsabilização individual (de cada deputado) e coletivas (de cada grupo parlamentar), sancionando as irregularidades."

Ferro Rodrigues afirmou ser "inquestionável a existência de irregularidade havendo registo de presenças falsas, com a necessidade de responsabilização dos deputados em questão no que se refere ao registo das suas presenças e dos grupos parlamentares a que pertencem".

Apesar do plural usado, os quatro deputados em causa são todos do PSD: José Silvano, o primeiro caso a ser divulgado, Duarte Marques, Feliciano Barreiras Duarte e José Matos Rosa.

Considerando "inaceitáveis quaisquer formas de funcionalização dos mandatos parlamentares" que passasse pela equiparação do registo de presenças dos deputados "ao modelo em vigor para os funcionários", Ferro Rodrigues sublinhou que, para evitar situações futuras, "afigura-se como indispensável distinguir a simples ligações do computador do registo das presenças".

Modelo de viagens vai ser objeto de estudo

Ferro Rodrigues convocou esta reunião extraordinária também com o objetivo de discutir os procedimentos a adotar em matéria de despesas de deslocação de deputados. Sobre este ponto, o presidente da Assembleia da República concordou com a proposta do Conselho de Administração em "criar um grupo de trabalho com vista a estudar e a recomendar as alterações" à resolução que regula aquelas despesas.

Na sua declaração, Ferro lamentou que, apesar da urgência pedida em maio e reiterada em setembro, "só agora tenha sido possível ao Conselho de Administração pronunciar-se sobre este assunto". "Tal ficou a dever-se ao facto de aquele órgão ter tentado procurar um consenso sobre esta matéria." O consenso possível é então a criação de um grupo de trabalho. A quem Ferro pede a "máxima urgência", para que as alterações entrem em vigor ainda na presente legislatura.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.