Exército investe 16 milhões de euros na compra de rádios

Autorização dada por João Gomes Cravinho destina-se a equipar os mais baixos escalões do Exército com rádios táticos.

A tecnológica portuguesa EID vai fornecer novos rádios táticos de comunicações ao Exército, que o ministro João Gomes Cravinho autorizou a investir 16,7 milhões de euros até 2026.

O anúncio, que foi publicado esta quarta-feira em Diário da República, precisa que esse programa de reequipamento foi proposta pelo Exército em maio de 2018 e destina-se a equipar "os baixos escalões (pelotão e inferior) de um sistema de comunicações que garanta a ligação" entre os soldados e a cadeira de comando.

A escolha recaiu na EID por ser a fabricante - em parceria com a alemã Rodhe & Schwarz - que desenvolveu os aparelhos CRC-525 especificamente para as Forças Armadas portuguesas e que já equipam várias unidades do Exército. Daí a opção de lançar o concurso por negociação e sem a publicação do respetivo anúncio.

João Gomes Cravinho delegou no Chefe do Estado-Maior do Exército as competências para gerir o concurso.

As verbas em causa, 16,747 milhões de euros, já estavam previstas na Lei de Programação Militar aprovada em 2015 e que está agora em revisão.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.