Ex-candidato à liderança do PSD/Açores coordena partido de Santana na região

A Aliança, o partido de Santana Lopes, já tem uma Comissão Instaladora nos Açores. Paulo Silva, ex-candidato à liderança do PSD na região autónoma é o coordenador.

A força política criada por Santana Lopes quer instalar-se de malas e bagagens nos Açores, nas 9 ilhas e nos 19 municípios da região autónoma. A comissão instaladora da Aliança já está criada e é coordenada pelo ex-candidato à liderança do PSD/Açores, Paulo Silva, que se desfiliou do partido.

Da comissão fazem ainda parte mais alguns ex-militantes do PSD/A, como Jorge Santos, Rúben Serpa, Carlos Miguel e Eduardo Tereso. A Aliança/Açores a Aliança/Madeira serão organizações autónomas, tal como previsto no projeto de Estatutos do Partido, que será aprovados no I Congresso Nacional da Aliança, em Évora, a 9 e 10 de fevereiro próximo. Jorge Santos era secretário-geral dos TSD/Açores e conselheiro regional do PSD da região autónoma.

Santana Lopes divulgou entretanto o nome de quem encabeçará a lista às europeias. Paulo Sande, especialista em Assuntos Europeus e atual assessor do Presidente da República, foi o escolhido. Paulo Sande não se filiará militante da Aliança e concorrerá como independente. "É um candidato de luxo", afirmou Santana Lopes ao Expresso. Segundo o mesmo jornal, Santana vai entrar em força na campanha eleitoral, a primeira que o novo partido vai organizar.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.