Nuno Melo quer um CDS "da tolerância" como "tampão" à extrema-direita

Candidato às europeias pelo CDS-PP espera que as eleições do próximo dia 26 de maio sejam "um sinal" de tolerância à Europa e um travão ao crescimento de populismos e da extrema-direita. "Somos de direita com muito orgulho. Não somos é de extrema-direita".

O cabeça de lista do CDS-PP às europeias, Nuno Melo, assumiu este sábado que os centristas querem ocupar o espaço eleitoral à direita, face ao reposicionamento do PSD, e até para ser "tampão" à extrema-direita.

Nuno Melo começou a dramatizar o voto no CDS-PP nestas eleições no jantar de sexta-feira, no Montijo, distrito de Setúbal, pedindo que o partido fique à frente do BE e do PCP e, este sábado, explicou melhor a estratégia para as europeias de dia 26 de maio que deseja que sejam "um sinal" de tolerância à Europa, que assiste a um crescimento de populismos e da extrema-direita.

Os centristas assumem-se, afirmou, como um partido da "direita democrática", da "direita da tolerância", de centro-direita, em que "gravitam liberais, democratas-cristãos e conservadores" desde a sua fundação, em 1974.

"Nós somos isso tudo", disse, para depois assinalar, como já tem feito nos discursos da campanha europeia, que o PSD sofreu um reposicionamento "ao centro", dado que os sociais-democratas dizem que o PSD "não é um partido de direita" e que até Rui Rio, o líder do partido, se assumiu como um político do centro. E é, por isso, esse espaço de direita e centro-direita que o CDS-PP quer ocupar já nestas europeias, a quatro meses das eleições legislativas, rejeitando qualquer tipo de comparação com a extrema-direita.

"Somos de direita com muito orgulho. Não somos é de extrema-direita. Distinguimo-nos e combatemos essa extrema-direita para que a direita que existe em Portugal possa prevalecer nas urnas", afirmou.

Na prática, trata-se de uma adaptação da frase atribuída a Paulo Portas, o ex-líder do partido, que tinha a máxima "à direita do CDS, uma parede", para tentar evitar extremismos em Portugal.

Desde o início da campanha, os discursos de Nuno Melo e de Assunção Cristas, a presidente do partido, têm algumas nuances. Enquanto a líder utiliza mais o termo "direita", mas também "centro-direita", o eurodeputado tem optado por referir-se de forma mais insistente a "direita" e "direita democrática".

A campanha eleitoral do CDS-PP terminou hoje mais cedo, por causa dos jogos decisivos para apurar o campeão nacional de futebol, não estando marcado qualquer jantar com militantes, por exemplo, e a última ação foi a meio da tarde numa feira medieval em Oliveira de Azeméis, Aveiro.

Nuno Melo, assumido adepto do Benfica, foi, segundo fonte do partido, ver o futebol a casa com a família, enquanto o resto dos candidatos e a comitiva do CDS-PP vão assistir ao jogo em Santa Maria da Feira, Aveiro, no hotel onde estão hospedados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.