Melinho das feiras? "Não, não me importo", diz Nuno Melo

Nuno Melo vai visitar feiras, manhã cedo, nos próximos dias de campanha do CDS para as europeias, não se importa que lhe chamem "Nelinho das feiras", embora diga que "o original", Paulo Portas, o ex-líder, "é melhor".

"Melinho das feiras? Não, não me importo, pelo contrário. Mas o original [Paulo Portas] é o melhor", disse Nuno Melo aos jornalistas, quando lhe perguntaram se se importava que lhe chamassem "Melinho das feiras", entre uma banca de sapatos e outra de roupa, na feira de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo.

As feiras são uma "longa tradição" no CDS, reconhecendo o eurodeputado que, sendo "um partido de direita", tem algumas dificuldades em "chegar às pessoas", pelo que a ida às feiras é uma forma "de chegar às pessoas".

Logo pela manhã, Melo e o presidente da câmara de Ponte de Lima, Victor Mendes, andaram a passear pela feira, distribuindo panfletos e canetas.

A ideia é o CDS estar "junto das pessoas", "estar onde as pessoas estão", mas hoje "não há ninguém" que não faça visitas a feiras e mercados.

"Gozam-nos, mas imitam-nos", e "até o proletário Bloco de Esquerda" o faz, ironizou o candidato.

Em terra onde o CDS governou a câmara durante anos, no pós-25 de Abril de 1974, Melo foi bem recebido pelos comerciantes e quem ia comprar, de roupa a sementes, de selas de cavalo a roupa e sapatos, enxadas e pratos de barro.

Algumas pessoas receberam o panfleto com alguma frieza, mas outras até pediam para não gastar o panfleto porque "lá em casa" todos vão "deitar pelo CDS", uma forma de dizer que iam votar no CDS nas europeias.

Victor Mendes andou a ajudar Melo, Nuno Melo, mas também teve de ouvir queixas de alguns dos comerciantes, por causa do valor da taxa que pagam para poder vender na feira.

Exclusivos