Europeias. Lobo Xavier é o mandatário nacional do CDS

O antigo líder parlamentar centrista é o mandatário nacional do CDS para as eleições europeias. O cabeça de lista do partido, Nuno Melo, diz que é uma "honra" tê-lo nesta função.

António Lobo Xavier é o mandatário nacional do CDS para as europeias. Nuno Melo, cabeça de lista do partido a estas eleições, diz que é "uma honra" tê-lo neste cargo, porque a sua figura "transcende em muito o CDS".

Nuno Melo sublinha ao DN que Lobo Xavier é muito conceituado como professor universitário e advogado e lembra que representa algumas das maiores empresas do país. "Sabe exatamente a importância de uma economia competitiva, da capacidade das empresas gerarem riqueza e encarna muito do que o CDS defende como alternativa a um governo que guinou profundamente à esquerda", afirma o eurodeputado centrista.

"Sabe exatamente a importância de uma economia competitiva, da capacidade das empresas gerarem riqueza e encarna muito do que o CDS defende como alternativa a um governo que guinou profundamente à esquerda"

Lobo Xavier, que foi líder parlamentar do CDS durante a liderança de Manuel Monteiro, tem grande notoriedade no país, já que é um dos rostos da "Circulatura do Quadrado", da TVI24, depois de ter estado anos num formato idêntico na SIC, na "Quadratura do Círculo", programa de debate político. É também conselheiro de Estado, indicado pela quota do próprio do Presidente da República. Presidiu ainda à Assembleia Municipal de Penafiel, eleito pelo CDS, desde 2005 até 2013.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.