BE diz que "não é fácil lutar pelos de baixo" com maiorias absolutas

São Miguel serviu de palco para os bloquistas alertarem sobre os perigos da privatizar a companhia aérea açoriana SATA.

Catarina Martins defendeu este domingo que "não é fácil lutar pelos de baixo" quando existem maiorias absolutas como a do PS nos Açores.

Em Lagoa, na ilha de São Miguel e perante dezenas de bloquistas, a líder do BE avisou: "Não é fácil [fazer política] numa região com maioria absoluta do PS e onde, tantas vezes, as questões essenciais [...] são esquecidas. Aqui sabe-se como é difícil lutar pelos de baixo quando há uma maioria absoluta."

A coordenadora do Bloco alertou depois para o "enorme perigo que é a privatização da SATA", companhia aérea açoriana que presta um "serviço público essencial" e não deve ficar na mão dos privados.

Sobre os dados da pobreza na região, Catarina Martins qualificou-os como um "atentado aos direitos humanos". Como "está tudo por fazer, é preciso lutar por quem tem menos e é por isso que aqui estamos", disse ainda Catarina Martins.

A dirigente do BE abordou depois os problemas da crise climática, que qualificou como o "maior problema" com que o "país e o planeta se debruçam neste momento".

"Mesmo nos Açores" - uma zona que tem sentido uma menor pressão climática - "sabe-se que há uma urgência ambiental", defendeu Catarina Martins. "Assumamos as nossas responsabilidades coletivas", instou a deputada bloquista, num almoço em que participaram a cabeça de lista do BE para as europeias, Marisa Matias.

Exclusivos